Indicado a três Oscars, "Eu, Tonya" tem elenco poderoso e história dramática e inacreditável recriada com carregadas doses de cinismo. Filme estreia nesta quinta-feira (15) nos cinemas de todo o País; confira a crítica

A história da ex-patinadora de gelo que se viu envolvida em um plano bizarro para tirar sua principal rival dos jogos olímpicos de inverno de 1994 merecia um filme com a altivez e propriedade de “Eu, Tonya”, primeira experiência de Margot Robbie , uma atriz que a cada novo trabalho se revela mais especial e talentosa, como produtora.

Cena do filme
Divulgação
Cena do filme "Eu, Tonya", que pode dar o primeiro Oscar a Margot Robbie

Dirigido por Graig Gillespie, cujos créditos contêm os pouco empolgantes “Horas Decisivas” (2016) e “Hora do Espanto” (2011), “Eu, Tonya” tem o mérito de conjugar com incrível energia os elementos dramáticos e cômicos de uma história tão americana – a ideia de vencer por meio do esporte, de perseguir sonhos – quanto universal – somos menos especiais do que nos damos conta.

O filme acompanha a trajetória de Tonya Harding (Margot Robbie) e vai e vem no tempo, fluindo de ponto de vista em ponto de vista, para ofertar um painel ao espectador de um punhado de vidas desperdiçadas. O rigor jornalístico com que reconstitui a trajetória de Tonya e daqueles que a gravitam não se sobrepõe ao olhar aguçado, que recebe o cinismo e deboche muitíssimo bem, escolhido pela realização para pautar uma história tão absurda quanto verídica. Essa estratégia não anula os efeitos dramáticos do filme.

Margot Robbie em cena de Eu, Tonya
Divulgação
Margot Robbie em cena de Eu, Tonya

Tonya Harding é uma anti-heroína formal. Esconde-se no vitimismo, mas foi abusada durante toda a sua vida pela mãe, interpretada com ferro e fogo, mas com indissociável humanidade por Allison Jenney , e pelo marido (Sebastian Stan, em grande momento como ator). Sofreu preconceito da federação de patinação por não se adequar aos parâmetros vigentes, mas recusou-se a moldar-se às regras que todas as outras seguiam. Tonya era excepcional. Tinha um talento nato para a patinação, mas também para crises. A mãe diz que a desconfiança, o questionamento em relação a sua capacidade era um combustível para ela no rinque de patinação. Trata-se de um diagnóstico forte, triste e que o espectador se sente tentado a comungar ao fim da projeção.

Essa é uma história de abusos, de chances perdidas e de um amor transformado em dor. Não é usual o cinema se dedicar a personagens que estragam suas segundas chances e justamente por isso “Eu, Tonya” ganha ainda mais força, significado e valor. É um filme que escrutina os intestinos da derrota com senso crítico incômodo. Nesse sentido, tanto a câmera de Gillespie, como o personagem de Bobby Cannavale, um jornalista que cobriu o caso que mobilizou a América na primeira metade dos anos 90, são um dedo em riste para aqueles personagens tragados pela própria ganância.

Amor que virou pesadelo: Há muitas boas histórias acontecendo ao mesmo tempo em Eu, Tonya
Divulgação
Amor que virou pesadelo: Há muitas boas histórias acontecendo ao mesmo tempo em Eu, Tonya

O desencanto da existência de Tonya, no entanto, também é alvo de afeto. Embora não assuma o ponto de vista de sua protagonista, uma das melhores e mais acertadas diretrizes da realização, o filme destaca o brio de uma mulher que se recusou a beijar a lona, por mais que as circunstâncias de sua vida conspirassem para isso.

Leia também: Delicado, "Me Chame pelo Seu Nome" contribui para fim do rótulo "filme gay"

Muitíssimo bem realizado e filmado como uma produção dos anos 80, “Eu, Tonya” apresenta um trabalho de montagem espetacular de Tatiana S. Riegel. É pela edição cheia de coração e timing que o filme alcança dividendos tão satisfatórios enquanto cinema. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.