Filme de Ryan Coogler é 1º lançamento do estúdio no ano em que comemora dez anos desde seu primeiro lançamento, "Homem de Ferro". Cheio de acertos no todo e nos detalhes, "Pantera Negra" estreia nesta quinta (15)

A Marvel sabe surfar em um haype, mas não necessariamente entrega um filme à altura dele. Foi assim com “Doutor Estranho”, no fim de 2016, e com “Thor: Ragnarok”, no fim de 2017. Coube a “Pantera Negra” a missão de não só corroborar um hype já altíssimo de uma produção Marvel, avolumado pelo bem-vindo componente da diversidade em um blockbuster raiz, como superá-lo na forma de um filme inteligente, cheio de energia e com uma pegada política forte sem soar professoral.

Leia também: "Cinquenta Tons de Liberdade" põe fim à série sem abrir mão dos erros do passado

Cena de Pantera Negra, que estreia nos cinemas nesta quinta-feira (15)
Divulgação
Cena de Pantera Negra, que estreia nos cinemas nesta quinta-feira (15)

O filme de Ryan Coogler (“Fruitvalle Station: A Última Parada” e “Creed: Nascido para Lutar”) se firma como o melhor filme da Marvel desde “Homem de Ferro” que abriu os trabalhos para o estúdio lá em 2008, ainda em esquema de coprodução e distribuição com a Paramount Pictures, e permanecia como o melhor filme do estúdio. “Pantera Negra” é um bálsamo principalmente porque Coogler opera dentro da famigerada fórmula Marvel, mas acha espaço para ser autoral e político. As marcas de seu cinema não se sobrepõem à esquematização característica de um filme Marvel, mas também não se deixam eclipsar por ela.

Leia também: HQ filmada, “Thor: Ragnarok” tem em sua maior virtude, sua grande fragilidade

A fictícia Wakanda e os conflitos de T`Challa ( Chadwick Boseman ) norteiam vigorosos paralelos com os EUA do passado e do presente sob a égide de um presidente contestado e isolacionista. O longa ostenta uma propriedade na articulação de seus subtextos incomum para filmes da estirpe bancados pela Disney. Não é um feito desprezível o de Coogler. Mais: a maneira como ele trabalha T`Challa e Erik Killmonger (Michael B. Jordan) como decalques modernos de Martin Luther King e Malcolm X é especialmente elaborada para produzir efeitos ainda mais contundentes em face do que “Pantera Negra” representa em termos de avanço em matéria de diversidade.

Lupita e Chadwick em cena de Pantera Negra
Divulgação
Lupita e Chadwick em cena de Pantera Negra

Rei inseguro

A trama começa de onde o arco de T`Challa parou em “Capitão América: Guerra Civil”. Ele volta para Wakanda para assumir o trono após a morte de seu pai no atentado ao prédio das Nações Unidas. A Marvel continua soberana na costura de seu universo e na propulsão de personagens com o tempo. Exemplos são o agente da CIA Everett Ross (Martin Freeman), também visto em “Guerra Civil”, e o terrorista Ulysses Klaue (Andy Serkis) visto brevemente em “Vingadores: A Era de Ultron”.

Chadwick Boseman e o papel que fará dele um astro do cinema
Divulgação
Chadwick Boseman e o papel que fará dele um astro do cinema

Apaixonado por uma espiã que tem uma percepção política diversa da dele, papel que Lupita Nyong`o calça como uma luva, T`Challa começa a governar Wakanda com hesitação e desejo de vingança contra Klaue, mas mal sabe que decisões de seu pai no passado irão interferir diretamente em seu reinado.

 Leia também: "Doutor Estranho" impressiona com efeitos visuais e boas atuações

Elenco poderoso

A Wakanda de “Pantera Negra” é um primor de tecnologia. O país conjuga a mais avançada tecnologia, capaz de curar paralisia, câncer e outras mazelas ainda fatais e definitivas para a sociedade como um todo, com hábitos culturais mais primitivos, como podemos ver no ritual da coroação em que o Rei pode ser desafiado em um duelo até a morte.

Cena de Pantera Negra, primeiro lançamento da Marvel no ano em que completa dez anos como estúdio de cinema
Divulgação
Cena de Pantera Negra, primeiro lançamento da Marvel no ano em que completa dez anos como estúdio de cinema

Há muito de sedutor e cativante em “Pantera Negra”, mas indubitavelmente o elemento mais poderoso do filme é seu elenco. Boseman é um protagonista natural e assertivo. Jordan é magnético desde o primeiro momento em que nele pousamos os olhos, mas este é mesmo um filme das mulheres. Fortes, lindas, inteligentes e senhoras de seu destino e do de Wakanda. O trio formado por Lupita, Danai Gurira e Letitia Wright, especialmente a última, brilha intensamente. Forest Whitaker, Angela Bassett, Daniel Kaluuya (indicado ao Oscar por “Corra!”) e Sterling K. Brown completam o elenco irretocável de um filme que acerta no todo e nos detalhes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.