Tamanho do texto

Segunda noite de desfiles na Marquês de Sapucaí teve seis escolas se apresentando e foi recheada de brilho; confira tudo sobre a noite

Unidos da Tijuca, Portela, União da Ilha do Governador, Acadêmicos do Salgueiro, Imperatriz Leopoldinense e a Beija-Flor de Nilópolis encerraram o Carnaval do Rio de 2018 entre a noite da última segunda-feira (12) e a manhã desta terça (13) com muito brilho e polêmica.

Leia também: Carnaval do Rio: Mangueira se destaca em noite marcada por protestos

A Beija-Flor foi um dos grandes destaques da segunda noite do Carnaval do Rop
Flickr/RioTur
A Beija-Flor foi um dos grandes destaques da segunda noite do Carnaval do Rop


Os grandes destaques da segunda e última noite do Carnaval do Rio ficaram por conta da Beija-flor, que fez uma crítica à desigualdade social e a todas as formas de intolerância, União da Ilha, que homenagem à culinária brasileira e  o Salgueiro, que fez um tributo às mulheres negras.

Leia também: Haja pegação! Famosos beijam muito no Carnaval

Unidos da Tijuca

Unidos da Tijuca
Flickr/RioTur
Unidos da Tijuca


A Tijuca abriu o último dia de desfiles do Rio homenageando Miguel Falabella, com o enredo "Um coração urbano: Miguel, o arcanjo das artes, saúda o povo e pede passagem".

O grande homenageado da noite foi destaque e o desfile da Tijuca ainda contou com Marisa Orth à frente da bateria na pele de Magda, personagem de "Sai de Baixo" que era mulher de Caco Antibes, interpretado por Falabella. Ela usou uma coleira com o nome "Caco".

Portela

Portela
Flickr/RioTur
Portela


Uma das campeãs do carnaval passado, a Portela teve um ótimo desfile, que falou sobre os refugiados. A escola de samba chegou à concentração com gritos de "é campeã" e conquistou a arquibancada, que cantiyu o samba junto com a agremiação durante todo o desfile.

Portela
Flickr/RioTur
Portela


A escola contou contou a história de judeus que se refugiaram em Pernambuco na época da dominaçã holandesa. O tradicional abre-alas da escola não fugiu muito do esperado e veio com uma águia, simbolo da Portela, no topo, junto com dezenas de integrantes com asas luminosas.

União da Ilha

Uni]ão da Ilha do Governador
Flickr/RioRur
Uni]ão da Ilha do Governador


Um dos grandes destaques da noite, a União da Ilha do Governador mostrou  ingredientes, as cores e até os aromas da culinária brasileira com o enredo "Brasil bom de boca".

Leia também: Pulando o carnaval, Paolla Oliveira mostra corpão em boa forma

União da Ilha
Flickr/RioTur
União da Ilha


A musa Gracyane Barbosa foi rainha de bateria, à frente dos ritmistas vestidos de cozinheiros. O carro abre-alas tinha cheiro de café, e o carro sobre cacau exalava chocolate.

Salgueiro

Salgueiro
Flickr/RioTur
Salgueiro


Buscando seu décimo título, batendo sempre na trave, A Acadêmicos so Salgueiro se destacou no Sambódromo ao fazer um tributo às mulheres negras e buscou inspiração em um enredo que homenageou Xica da Silva, há 55 anos.

Seis escolas fecharam o desfile do carnaval do Rio
Flickr/RioTur
Seis escolas fecharam o desfile do carnaval do Rio


Os compoenentes da bateria se vestiram de faraós negros, com os rostos pintados de tinta preta. À frente estava a rainha Viviane Araújo como Hatshepsut, uma rainha-faraó do antigo Egito, que, como sempre, arrasou na Sapucaí.

Imperatriz

Imperatriz Leopoldinense
Flickr/RioTur
Imperatriz Leopoldinense


A Imperatriz Leopoldinense misturou realeza e ciência natural no desfile que falou sobre os 200 anos do Museu Nacional, no Rio de Janeiro. A escola se inspirou no filme "Uma noite no museu" e levou para a Sapucaí insetos, aves, fósseis e meteoros.

Imperatroz
Flickr/RioTur
Imperatroz


A escola não usou o tripé na comissão de frente e fez uma apresentação com coreografia  que por conta do tempo de execução, quase comprometeu o tempo de desfile.

Beija-Flor

Beija-Flor
Flickr/RioTur
Beija-Flor


A Beija-Flor fez um paralelo entre o romance "Frankenstein", que faz 200 anos, e as mazelas sociais brasileiras. Corrupção, desigualdade, violência e intolerâncias de gênero, racial, religiosa e até esportiva formaram o cenário "monstruoso".