"Time for After", penúltimo episódio da midseason, sintetiza perfeitamente tudo o que não funciona na série atualmente e impacienta espectador

“The Walking Dead” sempre foi uma série de ritmo bem peculiar. Mas havia evolução dos personagens, novos conflitos e uma sensação constante de estranhamento. São características que se perderam de uma produção preguiçosa e que não consegue apresentar uma narrativa concisa, objetiva e reverberante.

Leia também: Cinco razões que explicam péssimo momento de “The Walking Dead”

Rick em ação em
Divulgação
Rick em ação em "Time for After", sétimo episódio da oitava temporada de The Walking Dead

O sétimo episódio da oitava temporada, penúltimo da midseason, é uma demonstração eloquente de como a série mantém as escolhas estéticas do passado, mas sem a mesma verve narrativa. A ida de Rick Grimes (Andrew Lincoln) ao lixão para negociar uma parceria com Jadis (Pollyanna McIntosh), que já havia o traído antes, prova o quão “The Walking Dead” se presta a protelações e resoluções de ocasião. O texto é ruim e compromete a atuação dos atores, as motivações dos personagens e mesmo a efetividade das soluções aventadas.

Leia também:  "The Walking Dead" muda fórmula e aposta na ação desenfreada, mas segue tediosa

Em “Time for After”, os planos de Rick na ação contra Negan (Jeffrey Dean Morgan) estão em risco e há uma rebelião entre seus comandados. Daryl (Norman Reedus) e Tara (Alanna Masterson) dão viço a um plano de vingança pessoal contra Negan e põe em risco toda a estratégia alinhada por Rick. Eugene (Josh McDermitt) descobre que Dwight (Austin Amelio) é o traidor no grupo dos salvadores e se descobre em um dilema ao passo que se aproxima de Negan, que vê nele e em seu afiado instinto de sobrevivência uma chance de sair da sinuca em que se encontram.

Maggie (Lauren Cohan) precisa administrar a situação que Jesus (Tom Payne) a colocou com um grupo de salvadores feito refém. Ela logo avisa: “Eles estão vivos porque podemos precisar deles para trocar com os nossos, mas se não precisarmos eles irão morrer”.

Eugene em conflito em The Walking Dead
Divulgação
Eugene em conflito em The Walking Dead

Os conflitos em transe e evidência não são ruins, mas a produção e roteiro falham miseravelmente em dimensiona-los a contento. Os personagens surgem cada vez mais desimportantes. Negan, um personagem e tanto, está cada vez mais com ares de comediante de stand-up e Rick é um rascunho do personagem cheio de carga emocional e conflitos que já fora.

Leia também: Tudo Sobre "The Walking Dead"

Como esperado, a guerra entre os salvadores e os grupos irmanados por Rick consumiu toda a primeira metade da temporada. A expectativa é que de truque em truque, “The Walking Dead” siga se arrastando como uma série morta-viva. A questão é até quando os fãs vão ficar por perto.

    Leia tudo sobre: The Walking Dead
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.