Tamanho do texto

Filme estrelado por Michael Fassbender tem elenco estrelado, mas desperdiça a história e os atores em uma trama fraca e rasa

Martin Scorsese foi cotado para dirigir. Não deu certo, mas ele assina a produção executiva. Michael Fassbender , recém-indicado ao Oscar por “Steve Jobs” ficou com o papel principal. Rebebcca Ferguson e Charlotte Gainsbourg assumem as protagonistas femininas. Val Kilmer, Chloë Sevigny, J.K. Simmons, James D’Arcy e Toby Jones também participam. A direção é de Thomas Alfredson, de “O Espião que Sabia Demais”. Dion Beebe, vencedor do Oscar por “Memórias de Uma Gueixa” assume a fotografia. O filme em questão, “Boneco de Neve”, é baseado no livro de mesmo nome do escritor norueguês Jo Nesbo , um dos maiores nomes da literatura policial atual. Com um currículo desses, não tem como um filme dar errado né?

Leia também: Os dez melhores filmes que você nunca assistiu, mas deveria

Divulgação
"Boeco de Neve" estreia no Brasil essa quinta-feira (23). Filme desperdiça bons atores

Mas deu. “ Boneco de Neve ” é preguiçoso em todos os aspectos, da atuação a edição. A edição, inclusive, é o maior destaque negativo. Parece que cenas aleatórias foram escolhidas e coladas uma após a outra. Mas, talvez isso seja culpa do roteiro, que não se preocupa em desenvolver nada.

Leia também: Jeffrey Dean Morgan caça Gael García Bernal no tenso e implacável “Deserto”

 “Boneco de Neve” é um mistério, envolvendo um possível assassino em série e dois detetives em sua caça: Harry Hole (Fassbender) e Katrine Bratt (Ferguson). O que parece “atiçar” o assassino é justamente a neve, e os bonecos de neve são deixados na cena de cada crime, como um lembrete de que os policias estão sempre um passo atrás quando se trata se seus crimes.

O problema é que o filme não nos permite conectar com ninguém. Não com o protagonista, um alcoólatra que não consegue seguir regras, ou com a novata na polícia de Oslo, que parece misteriosa, mas é “desmascarada” por Hole logo no começo da trama. Nem por Rakel (Gainsbourg), com quem Hole já teve um passado, mas cujo nome não aparece até quase o final. As vítimas e suas famílias também tem destaque, mas completamente desperdiçado. D’Arcy faz o marido de uma das vítimas desaparecidas que parece ter algo a esconder. J.K. faz o bon vivant que quer levar os Jogos de Inverno a Oslo (numa trama que não faz sentido nenhum, e não acrescenta em nada para a história). O médico Vetlesen (David Dencik) tem alguma relação com as vítimas, mas não sabemos exatamente onde ele se encaixa na história. E, no final, o maior mistério do filme é porque Sevigny aceitou interpretar as gêmeas Sylvia Ottersen e Ane Pedersen. As duas juntas têm, no máximo, 10 minutos na tela, em papeis completamente desperdiçados para uma atriz do gabarito de Sevigny.

Val quem?

Rebecca Ferguson em
Divulgação
Rebecca Ferguson em "Boneco de Neve"

Outra surpresa (negativa) é a presença de Val Kilmer . As primeiras cenas dele no flashback que mostra o detetive Rafto investigando casos similares aos do presente em uma pequena cidade da Noruega, causam espanto. A voz do ator está totalmente descaracterizada nas poucas palavras que ele consegue proferir. A dublagem que ele fez do áudio não está nada sincronizada e, nessa hora, parece que o filme está mesmo pregando uma peça no espectador.

Desde o começo, o filme não se dá realmente o trabalho de apresentar os personagens adequadamente, deixando para chamadas do noticiário e comentários de um ou outro caracterizá-los. O filme perde ao não desenvolver pelo menos os dois principais, Harry e Katrine, que passam a maior parte do filme juntos solucionando o caso, até surgir um conflito entre os dois que culmina no abraço mais constrangedor da história do cinema.

Não parece que houve, de fato, uma direção. A ideia, talvez, era que eles fossem crus, secos, honestos. Mas, na prática, eles são vazios e bipolares. Katrine está se comportando quase como uma personagem tímida e desajeitada de “Big Bang Theory” em uma cena, e na seguinte pergunta pra Harry se ele vai tentar transar com ela.

O trabalho que Jo Nesbo desenvolveu com o detetive Harry Hole foi longo e “ Boneco de Neve ” é o sétimo de uma série de 11 livros com o personagem. Talvez o problema esteja aí: levar para o cinema uma história começada, sem realmente se dar ao trabalho de criar, para o cinema, um personagem que já é icônico na literatura de suspense.

Leia também: “The Square” discute limites da arte com desembaraço e força criativa