Série teve um bom episódio após longa sequência ruim e lembra público e crítica do porquê "The Walking Dead" nos cativou: foco nos personagens

Não é nada não é nada, “The Walking Dead” apresentou seu melhor episódio desde o final da sexta temporada. E sem Negan em cena. Pode parecer pouca coisa, mas é muito para um programa que patina e perde audiência e qualidade a passos largos.

Leia também: "The Walking Dead" muda fórmula e aposta na ação desenfreada, mas segue tediosa

Cena de
Divulgação
Cena de "Some Guy", melhor episódio da oitava temporada de The Walking Dead

Os problemas da série também marcaram presença em “Some Guy”, quarto episódio do oitavo ano, mas destacou-se aquilo que pelo qual a “The Walking Dead” primava em seu começo: o bom desenho dos personagens e os conflitos íntimos externados pelo caos pós-apocalíptico.

Leia também: 100º episódio escancara ruindade atual de "The Walking Dead"

Focado em Ezequiel (Khary Payton), “Some Guy” resgatou alguns valores perdidos da série, como o gosto pelo gore, Carol (Melissa McBride) como uma força da natureza capaz de mover mundos e fundos e os zumbis como elementos desestabilizadores de qualquer vestígio de ordem. Novamente, não parece muito, mas para uma série que acomodou-se nas fórmulas narrativas e truques baratos, é bastante.

Por falar em truques, a morte da tigresa Shiva correspondeu a mais um ensejado por produtores que manipulam sua audiência sem pudor algum. O fato endereça outro problema do programa. O fato de as HQs anteciparem praticamente tudo o que vemos na série. Não se trata mais de uma adaptação, mas de uma transposição incauta e abrutalhada.

Jerry protagonizou um dos momentos mais gore do novo ano
Divulgação
Jerry protagonizou um dos momentos mais gore do novo ano

“Some Guy”, no entanto, foi um bem-vindo respiro  no alvissareiro criado por Robert Kirkman e sua trupe. Emboscado, o grupo de Ezekiel é dizimado por soldados de Negan e ele custa a perder a pose. “Prefiro ser morto por zumbis do que por um soldado qualquer de Negan”. Mas aos poucos, a máscara vai caindo. É essa inflexão que a série sempre teve a ofertar de melhor. Se o breve encontro entre Rick e Morales apresentou ao primeiro uma percepção sobre si mesmo que lhe é incômoda, a derrocada súbita de Ezekiel e seus comandados lhe trouxe de volta ao ridículo de sua existência.

Leia também:  Tudo Sobre The Walking Dead

Angustiante e com cenas de ação mais bem dosadas, “Some Guy” nos lembra das potencialidades de “The Walking Dead” e desperta a esperança de que a queda vertiginosa atual possa cessar. A série precisa do choque de realidade a que submeteu seu mais otimista personagem.  

    Leia tudo sobre: The Walking Dead
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.