"O espetáculo não deixa a desejar em nada para as produções lá de fora. Sinto orgulho mesmo do que estamos mostrando para o público", diz a atriz

Pode ser que você não conheça os detalhes da história, mas, sem dúvidas, conhece a clássica cena do homem que canta, dança e sapateia com um guarda-chuva durante uma tempestade. Trata-se de uma cena protagonizada por Gene Kelly no filme “Cantando na Chuva”,  obra que foi levada ao teatro e agora ganhou uma versão nacional. A montagem segue em grande sucesso e impressiona com grande elenco, belos cenários e por fazer chover, literalmente, no palco do Teatro Santander.

Leia também: Produtora divulga atores que interpretarão Zezé di Camargo e Luciano em musical

Cláudia Raia e Jarbas Homem de Mello realizam o sonho de montar o musical
Divulgação/Paschoal Rodriguez
Cláudia Raia e Jarbas Homem de Mello realizam o sonho de montar o musical "Cantando na chuva" no Brasil


A desafiadora ideia de trazer o musical para o País surgiu em 2012 quando a atriz Cláudia Raia assistiu ao musical “ Cantando na Chuva ” junto com o companheiro Jarbas Homem de Mello, em uma viagem a Londres. “A chuva em cena me impactou bastante, mas não foi só isso. O espetáculo trazia uma coisa alegre, romântica, esperançosa, e, principalmente, trazia os anos dourados a nossa memória. O musical traz essa memória afetiva”, fala Cláudia ao iG .

Leia também: “Feito na América” diverte ao colocar Tom Cruise entre Pablo Escobar e a CIA

Mesmo encantada com o musical, a atriz confessa que não gostou de alguns detalhes da montagem feita em Londres e, por isso, quis fazer algo original, que fosse mais fiel ao filme. Na história, Don Lockwood e Lina Lamont são grandes estrelas do cinema mudo e, para a mídia, os astros mantêm um relacionamento afetivo. Com a chegada do filme falado, tudo muda de figura, já que Lina possui uma voz estridente que não agrada nem um pouco ao público e Don se apaixona por uma atriz iniciante, Kathy Selden.

Jarbas é quem carrega a responsabilidade de dar vida ao protagonista do musical e reafirma todo seu talento, seja dançando, cantando e até sapateando. “Cantando na Chuva é um clássico. É um filme que eu assisti inúmeras vezes. Apesar de ter muito vivo o personagem feito pelo Gene na minha cabeça, eu faço o meu Don Lockwood”, conta o ator ao iG . “Foram muitas horas de ensaio, de dança, de testes, porque sapatear é uma coisa, agora sapatear no molhado é outra”, completa.

Desconstrução da voz

O musical reúne o casal mais uma vez em cena e segue com grande sucesso
Divulgação/Paschoal Rodrigues
O musical reúne o casal mais uma vez em cena e segue com grande sucesso

Já Cláudia, tem a missão de divertir o público no papel de Lina Lamont. Multitalentos, a atriz passou por uma grande preparação para conseguir deixar a voz irreconhecível e o resultado ficou tão impressionante quanto fazer chover no palco. “Essa voz foi criada por mim e o maestro Marcone. Ele é meu professor de canto. Foi com ele que eu construí a voz e cheguei a esse tom estridente e oposto ao meu registro”, conta. “É um trabalho vocal bem difícil. O desafinar é muito pensado. Todas as notas são estudadas”, acrescenta.

Leia também: "Hamilton": o musical da Broadway que virou fenômeno na internet

Para que todo esse esforço não prejudique a voz da atriz, Cláudia passa na fonoaudióloga todos os dias e faz os exercícios elaborados pelo professor de canto. “Faço tudo isso para a voz ficar mais fácil, para não machucar e cansar. Termino as duas sessões no sábado e no domingo intacta, graças a Deus”, diz aliviada.

Público encharcado

Uma das cenas mais esperadas é quando Don canta a versão nacional de “Singin' In The Rain”, número que fecha o primeiro ato e leva a plateia ao delírio – principalmente quando Jarbas começa a chutar água no público. “É uma cena especial, que dá para sentir que contagia o público. Ensaiamos muito para fazer essa cena. Testamos a roupa, microfone, sapato, tudo ali foi pensado para aquela cena. É muito gostoso sentir essa vibração, essa emoção, porque as pessoas se emocionam mesmo”, relata o ator.

O espetáculo reúne mais uma vez o casal em cena e ambos estão empolgados de estar juntos nesse audacioso projeto. “Ela [Cláudia] é a melhor quando falamos de musical no Brasil. Temos uma troca muito interessante e é uma delícia tê-la como parceira de trabalho. Estamos o tempo inteiro juntos, trocamos ideias e, ao mesmo tempo, nos divertimos”, afirma Jarbas. A atriz, essa é só mais uma prova de que eles são parceiros não só na vida, mas também nos palcos.

Talento e carisma

Outros destaques no elenco são Bruna Guerin, que vive a mocinha Kathy Selden, e Reiner Brown, interprete de Cosmo, o divertido amigo de Don. A seleção do elenco foi algo difícil, já que o espetáculo exige canto, dança, atuação e ainda o sapateado. “Encontrar esses artistas não foi fácil. É preciso encontrar pessoas com todos esses requisitos e carisma também. Mas eu fiquei muito feliz por ver como tem uma galera chegando no mercado cada vez mais preparada. Dá um orgulho ver esses jovens artistas se preparando tão bem”, expõe Cláudia.

Leia também: "Ghost – O Musical" encanta com enredo conhecido e elenco afinado

O espetáculo fica em cartaz até novembro e os ingressos estão sendo disputadíssimos. “É uma história muito viva na lembrança do telespectador. É animada, leve, para cima. Acho que isso cativa quem assiste ao musical”, garante Jarbas.

“O nosso 'Cantando na Chuva'não deixa a desejar em nada para as produções lá de fora. Sinto orgulho mesmo do que estamos mostrando para o público. Temos uma megaestrutura, um elenco afinado, números incríveis, uma trilha gostosa de ouvir. Acho que é um conjunto de fatores que contribui para a repercussão do espetáculo”, finaliza Cláudia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.