No Brasil ou no mundo, diversos autores e autoras roubam os holofotes com os mais diversos estilos de escrita que expandem o conceito de poesia

Carlos Drummond Andrade, Manuel Bandeira, Cecília Meireles, Cora Coralina ou Manuel Bandeira: quando o assunto é poesia, grandes nomes da literatura despontam no imaginário, trazendo nomes icônicos desse universo no Brasil. Entretanto, não é só no século XX que grandes poetas tomaram conta da história da literatura trazendo obras que até hoje conquistam relevância no universo da arte .

Ana Cristina César recebeu uma homenagem póstuma na Flip de 2016
Reprodução
Ana Cristina César recebeu uma homenagem póstuma na Flip de 2016


Leia também: Literatura performática: novo gênero ou característica da arte?

De artistas que tomaram conta das redes sociais com sua poesia àqueles que emergem com suas publicações independentes, conheça dez nomes do mundo da poesia brasileira e internacional para ler hoje.

Sérgio Vaz

A poesia de Sérgio Vaz transcende fronteiras
Reprodução
A poesia de Sérgio Vaz transcende fronteiras

O poeta Sérgio Vaz já é conhecido no universo da poesia há um bom tempo. Fundador do Cooperifa (Cooperativa Cultural da Periferia), o artista traz à tona versos que nem sempre estão sob os holofotes, com eventos como o Sarau da Cooperifa no Jardim Guarujá para ler e criar poesias. Os temas de suas obras sempre circundam a realidade da periferia e estão sempre carregadas de críticas sociais. O autor já publicou oito livros, sendo cinco de forma independente e outros três pela Editora Global.

Conceição Evaristo

Além de pomas, Conceição também é autora de contos e romances
Divulgação
Além de pomas, Conceição também é autora de contos e romances

A poeta mineira está com tudo este ano. Depois de ter uma ocupação em sua homenagem tomando conta da Avenida Paulista no Itaú Cultural, chegou a vez da artista marcar presença na Festa Literária Internacional de Paraty. Nascida em uma favela da zona sul de Belo Horizonte, Conceição se destaca no universo da poesia e da prosa com a sua “escrevivência” em que a negritude é um dos eixos a serem destacados na sua escrita. A autora já publicou diversos livros de contos, pomas e romances, sendo estes últimos esgotados nas livrarias e em viés de conquistar uma reedição.

Rupi Kaur

Rupi Kaur, autora do livro Outros Jeitos de Usar a Boca
reprodução/Hindu Times
Rupi Kaur, autora do livro Outros Jeitos de Usar a Boca

A artista despontou nas redes sociais com seu trabalho chegando a ser chamada de “Instapoet”. Um dos seus primeiros projetos que colocou o seu nome sob os holofotes foi uma série fotográfica descrito como poesia visual, que tinha como objetivo desmitificar diversos tabus acerca da menstruação. Mais tarde, de maneira independente, Rupi Kaur lançou seu primeiro livro em 2015, intitulado “Milky and Honey” que só chegou a ser publicado em português este ano com o nome de “Outros Jeitos de Usar a Boca”. A publicação chegou a acontecer de forma independente no site da Amazon, mas devido à popularidade, uma editora chegou a abraçar o projeto para uma nova edição.

Warsan Shire

Warsan Shire foi uma das poetas que inspirou Beyoncé em seu álbum
Reprodução
Warsan Shire foi uma das poetas que inspirou Beyoncé em seu álbum "Lemonade"


Nascida no Quênia, Warsan Shire também é uma das poetas que se destacam no universo da poesia contemporânea. Filha de somalis e radicada em Londres, a poeta tem o seu trabalho centrado no que é ser mulher e na diáspora africana. Não é à toa, portanto, que o último álbum da cantora Beyoncé, “Lemonade”, traz referências da artista. Apesar de já ter publicado diversos livros físicos, sua fama foi construída, assim como Rupi Kaur, através das redes sociais como Tumblr e Twitter.  

Angélica Freitas

Angélica é autora do livro
Reprodução
Angélica é autora do livro "um útero é do tamanho de um punho”

A gaúcha Angélica Freitas teve o seu trabalho reunido em uma antologia pela primeira vez em uma publicação argentina, intitulada “Cuatro poetas recientes del Brasil”, organizada e traduzida pelo poeta e crítico Cristian de Nápoli. Entretanto, mais tarde, a artista chegou a ter sua primeira coletânea de poesias publicada pela extinta editora Cosac Naify, intitulado “Rilke Shake”. O seu trabalho de maior destaque, por outro lado, só veio mais tarde: “um útero é do tamanho de um punho”, publicado em 2013, que tem como eixo os diversos mitos e preconceitos que cercam a imagem da mulher. Além da Argentina, seus poemas foram traduzidos e publicados em outros diversos países como Espanha, México, Estados Unidos, Alemanha e França.

Leia também: "Em tempos tão duros, a poesia pode recuperar essa humanidade que corre riscos"

Alberto Pucheu

Além de poeta, Alberto também é professor de Teoria Literária
Reprodução
Além de poeta, Alberto também é professor de Teoria Literária


Professor de Teoria Literária da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Alberto Pucheu também é um poeta e ensaísta que já chegou a publicar oito livros tendo conquistado a atenção de diversos jornais e periódicos de grande circulação no país. O artista também já fez projetos com fotografia, registrando frases que encontrava nas ruas das cidades expondo esse trabalho em uma série que também contou com outros grandes nomes como Ferreira Gullar.

Elisa Lucinda

A poeta também já trabalhou como atriz em diversas novelas da Rede Globo
Reprodução
A poeta também já trabalhou como atriz em diversas novelas da Rede Globo


Do Espírito Santo, Elisa Lucinda além de poeta é também atriz, cantora e jornalista. É fundadora da Casa-Poema, uma instituição dedicada ao ensino da poesia falada e é considerada a artista da sua geração que mais populariza poesia. Atualmente, a poeta tem 14 livros publicados, tendo sido os primeiros da sua carreira publicados de maneira independente.

Ricardo Aleixo

O artista tem como um dos focos do seu trabalho mesclar a poesia com diversas artes
Reprodução
O artista tem como um dos focos do seu trabalho mesclar a poesia com diversas artes


​Um dos coordenadores da Bienal Internacional de Poesia, Ricardo Aleixo é um dos poetas que trabalha não só a palavra escrita mas a sua apresentação de maneira visual e sonora, pela performance. Seus poemas revelam sua forte afinidade com o movimento concretista, em que a organização visual do texto prevalece na sua construção. Além disso, a poesia para o autor é uma ferramenta de crítica social de forma seca e irônica, em que busca integrar a literatura com outras formas de arte.

Key Ballah

Key Ballah é uma poeta muçulmana que tem transcreve sua fé pela poesia
Reprodução
Key Ballah é uma poeta muçulmana que tem transcreve sua fé pela poesia


Negra, muçulmana e radicada em Toronto, Key Ballah é também uma das poetisas que reflete os temas que circundam as suas vivências em sua obra. Em sua escrita, a autora mistura sua fé com questões que são recorrentes no universo de uma mulher negra. Ela é autora de dois livros, que ainda não tem tradução para o português: “Preparing My Daughter For Rain“ e “Skin & Sun”, mas algumas de suas obras já foram traduzidas de maneira independente na internet. Sua poesia se assemelha às mulheres da sua geração que buscam recriar o conceito do que é um poema.  

Leia também: Os cinco melhores livros escritos por atrizes brasileiras

Ana Cristina César

Poeta Ana Cristina Cesar foi a grande homenageada da Flip 2016
Divulgação
Poeta Ana Cristina Cesar foi a grande homenageada da Flip 2016


Apesar de a poeta ter falecido na década de 1980, com apenas 31 anos de idade após ter cometido suicídio, sua contribuição para a literatura permanece mais viva do que nunca. Em 2016 seus poemas voltaram aos holofotes depois de ter sido homenageada na Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP) em 2016, com obras que muitas vezes são vinculadas ao movimento de Poesia Marginal. Seus primeiros livros foram publicados de maneira independente, mas atualmente já há uma série de obras da autora disponíveis nas livrarias.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.