Em entrevista ao iG, ator de "Rei Arthur: A Lenda da Espada" fala sobre seu novo filme e a luta para ser escolhido pelo diretor Guy Ritchie: "A competição em Hollywood para trabalhar com bons diretores é muito pesada"

Depois de fazer sucesso na TV estrelando a série "Sons of Anarchy", Charlie Hunnam é o Rei Arthur em "Rei Arthur: A Lenda da Espada" , filme que chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (18). Trabalhando ao lado do diretor Guy Ritchie , o ator participa da maior produção de sua carreira: o filme teve orçamento de US$ 175 milhões (R$ 545 milhões) e é uma das grandes apostas para o verão americano.

Leia também: Novo "Rei Arthur" reconta história clássica à la Guy Ritchie

Charlie Hunnam veio ao Brasil para promover o filme
iG
Charlie Hunnam veio ao Brasil para promover o filme "Rei Arthur: A Lenda da Espada"

"Foi muito divertido", contou Charlie Hunnam , em entrevista ao iG, sobre o trabalho com Guy Ritchie. "Nós nos tornamos bons amigos rapidamente. Era como trabalhar com seu melhor amigo", explicou o britânico.

Leia também: Protagonista de “Más Notícias para o Senhor Mars” é atropelado pelo seu mundo

Hunnam conta ter conseguido o papel principal depois de insistir muito. O cineasta era um de seus diretores favoritos e o artista não queria perder a chance de trabalhar com ele. Para isso, o ator teve que convencer Ritchie a lhe dar uma chance. "Ele nem me considerou para esse papel. Eu trabalhei nos Estados Unidos por muitos anos e fiz sotaque americano em 'Sons of Anarchy' e em todos os filmes que estava fazendo, então ele achou que eu era americano", disse, lembrando que o diretor queria um ator britânico para interpretar o Rei Arthur. "Então eu peguei um voo de Los Angeles para a Inglaterra e basicamente exigi que ele tomasse um chá comigo", recordou.

Na conversa, Hunnam explicou por que ele deveria ser o Rei Arthur de Guy Ritchie. "Eu disse 'eu acho que você está cometendo um erro, acho que você deveria me levar em consideração'. E ele dizia 'eu não acredito que você é britânico, se eu soubesse que você era britânico, teria te levado mais a sério'", contou. "Eu sou muito grato por isso, nós tivemos uma ótima experiência em nosso primeiro encontro", continuou o ator.

Luta pesada

Em "A Lenda da Espada", Guy Ritchie imprime seu estilo peculiar a uma história que já foi contada várias vezes no cinema e na TV, e Charlie Hunnam se adaptou a isso. O ator, aliás, tem se especializado em trabalhar com diretores com características bem particulares. Antes de ser o Rei Arthur de Ritchie, ele fez "Círculo de Fogo", de Guillermo Del Toro, e "Z - A Cidade Perdida", de James Gray.

Leia também: Com Leandra Leal, "O Rastro" tenta fomentar o cinema de terror no Brasil

O ator não consegue responder por que esses diretores estão o escolhendo para seus filmes, mas sabe o motivo de estar nas produções dele. "Você tem que perguntar isso para eles. Mas, na verdade, eu os escolho", explicou. "Você tem que lutar pelas coisas que quer na vida. A competição em Hollywood para trabalhar com bons diretores é muito pesada, então você tem que lutar pelos papéis que realmente quer", continuou o britânico.

Sem pressão

No maior filme de sua carreira, Hunnam garante não ter sentido pressão. Para ele, seu trabalho no longa foi parecido ao de "Sons of Anarchy", série que teve sete temporadas entre 2008 e 2014. "O processo é sempre o mesmo: tentar fazer um personagem ser o mais interessante e excitante possível", disse. "É sempre sobre tentar acreditar no personagem que você está representando e fazer isso com o máximo de verdade e honestidade que você consegue. Não faz diferença se é um filme com 175 milhões de dólares de orçamento ou uma série de TV ou uma peça de teatro."

Os primeiros resultados de "A Lenda da Espada" não têm sido animadores. O filme naufragou na bilheteria do fim de semana de abertura nos Estados Unidos e deve ser um dos fracassos deste ano. Mas as bilheterias de seus filmes não causam dor de cabeça em Hunnam. "Eu não sinto nenhuma pressão pelos resultados. Você tem que se separar dos resultados", explicou. "Meu trabalho é ser um ator. Eu deixo as pessoas dos negócios se preocuparem com os números. Não tem nada a ver comigo", observou o artista.

Leia também: “Fragmentado” atende demanda por “filmes sombrios”, diz M. Night Shyamalan

Sem citar especificamente "Rei Arthur: A Lenda da Espada", o ator fala que seu trabalho se resume ao set e não pode fazer nada caso as produções fracassem na bilheteria. "Eu fico feliz de falar sobre o filme, atender à imprensa, mas além disso, como o filme se sai, quanto dinheiro gera, não tem nada a ver comigo", esclareceu.

Queridinho dos fãs

Além de divulgar o filme em São Paulo, o britânico aproveitou a viagem para se conectar aos fãs brasileiros, que fizeram vigília em frente ao hotel onde ele ficou hospedado nos últimos dias.

JACKIE BOY

Uma publicação compartilhada por Cris Menezes (@pix713) em

Com alguns amigos brasileiros, Charlie Hunnam conta que sabia que era uma pessoa bem conhecida no País, mas se surpreendeu com o carinho dos fãs. "Eu tenho alguns amigos brasileiros, treinei Jiu-Jitsu, e meu treinador disse que as redes sociais dele sempre bombavam quando ele postava uma foto comigo. Mas eu não tinha ideia de que as pessoas seriam tão carinhosas e animadas assim", confessou o ator.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.