Ícones do cinema francês dão força a texto clássico sobre alpinismo social e conflito de classes. “As Falsas Confidências” já está em cartaz nos cinemas

Em cartaz desde a última quinta-feira (30) em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e algumas outras capitais, o longa-metragem “As Falsas Confidências” (2016) reúne ícones de três gerações do cinema francês: a veterana Bulle Ogier, a diva Isabelle Huppert , recentemente indicada ao Oscar por “ Elle ” e o cada vez mais onipresente galã Louis Garrel . A produção é um telefilme realizado pelo suíço Luc Bondy (1948 – 2015) a partir da peça homônima de Marivaux (1688 – 1763) que dirigiu com o mesmo elenco. A montagem foi encenada em Paris em 2014, no Teatro Odeon, comandado por Bondy entre 2012 e 2015. O filme foi rodado durante o dia nas dependências do mesmo teatro e em seus arredores; à noite, os mesmos atores apresentavam no palco a clássica comédia amorosa, adaptada para os tempos atuais.

Leia também: Saiu! Teaser de “Star Wars: Os Últimos Jedi” mostra mais de Luke Skywalker

Musa Isabelle Huppert interpreta Araminte ao lado de Louis Garrel
Divulgação
Musa Isabelle Huppert interpreta Araminte ao lado de Louis Garrel

O tom farsesco afere certo charme a “ As Falsas Confidências ”, que se resolve como uma dessas cirandas opondo castas sociais que Robert Altman fazia tão bem. Bondy, é verdade, não filtra o texto de Marivaux e, portanto, há certas cenas que não funcionam tão bem no cinema, mas não deixam de provocar seu impacto.

Leia também: "Homem Aranha", "Alien" e os filmes imperdíveis nos cinemas nos próximos meses

Enredo

Na trama, Dorante (Garrel) é um aspirante a advogado sem dinheiro que assume a posição de secretário na casa onde vive Araminte (Isabelle Huppert), uma viúva rica, atraente e generosa com seus funcionários. Em parceria com Dubois (Yves Jacques), empregado da mansão, Dorante participa de um ardiloso esquema com o objetivo de que a herdeira se apaixone por ele. Cortejada pelo conde Dorimont (Jean-Pierre Malo) com a bênção de sua própria mãe (Bulle Ogier), a madura Araminte fica envaidecida com a suposta admiração do belo e jovial Dorante. 

Filme foi adaptado da peça de Marivaux, apresentada pelos mesmos atores no teatro
Divulgação
Filme foi adaptado da peça de Marivaux, apresentada pelos mesmos atores no teatro

“Todo homem que ama deve usar de estratégias para ser amado e quando finalmente conseguir, deve ser perdoado”. A frase surge no fim do filme e transborda condescendência. Esta é uma parábola sobre alpinismo social e isso fica claro logo de início. O que se revela homeopaticamente é que há certos comentários sobre vaidade, carência e ingenuidade que servem ao enredo central.

No fim das contas, “ As Falsas Confidências ” coloca uma questão genuína: até que ponto mentiras e dissimulações são defensáveis em nome de um bem maior? Seja ele o apaziguamento financeiro, o saciamento dos desejos da carne ou a mais perene noção de felicidade.

Leia também: "Les Fantômes D'Ismael" abrirá Festival de Cannes de 2017

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.