"Logan" é o filme de despedida de Hugh Jackman como o icônico mutante Wolverine e estreia nesta quinta-feira (02) nos cinemas do Brasil

Ao longo de sua trajetória nas HQs , Logan sempre foi o mais trágico dos mutantes . Algo que naturalmente atraiu o interesse do cinema, que combinada à imensa popularidade do mutante entre os fãs de HQ, ergueu a primeira trilogia dos X-Men (2000, 2003 e 2006) em cima de sua persona. O primeiro filme solo, que chegou em 2009 como carro-chefe de um projeto que nunca foi avante, de mostrar a origem de alguns dos principais personagens do universo mutante, foi uma decepção completa.

Cena do filme Logan estrelado por Hugh Jackman
Reprodução
Cena do filme Logan estrelado por Hugh Jackman


Leia também: "Até este filme, não tínhamos chegado ao coração de Wolverine", diz Hugh Jackman

Wolverine era o maior sintoma de como o cinema ainda não compreendia a riqueza de material que tinha em mãos. “Wolverine: Imortal”, que James Mangold , que havia trabalhado com Hugh Jackman em “Kate & Leopold” (2002), assumiu depois da desistência de Darren Aronofsky, mostrava algumas alternativas, mas ainda não era o filme certo para o personagem. “ Logan ” não só é este filme, e ascende ao topo de todos os filmes da franquia mutante produzidos até aqui, como representa o segundo grande marco nessa história que Hollywood conta sobre os filmes de super-heróis. O primeiro é “O Cavaleiro das Trevas” (2008), de Christopher Nolan.

Leia também: Violento, "Logan" é sutil ao focar na busca de Wolverine por sua humanidade

James Mangold e Hugh Jackman foram pacientes e contaram com o sucesso de “Deadpool”, uma aposta arriscada da FOX em relação à classificação indicativa, para fazerem o filme que queriam. Com maior liberdade criativa, que se reflete no tratamento da violência pelo roteiro, Mangold e os roteiristas Scott Frank e Michael Green adotaram como ponto de partida a HQ “Old Man Logan” para nortear este projeto que foi anunciado como a despedida de Hugh Jackman depois de interpretar o personagem ao longo de 17 anos e nove filmes.

O filme começa com um Wolverine envelhecido em um futuro em que mutantes estão praticamente extintos. Com o fator de cura debilitado, e cada vez mais imerso em seu alcoolismo, Logan tenta conciliar o anonimato relativo com a tarefa inglória de cuidar de um Charles Xavier (Patrick Stewart) que apresenta sinais de demência. Essa ainda mais relativa tranquilidade é afetada pela chegada de Laura (Dafne Keen), ou Arma X 23. Fugida de um laboratório que manufatura mutantes, ela guarda semelhanças nada ocasionais e incita um instinto protetor no velho Logan que Xavier ajuda o velho amigo a perceber.

Hugh Jackman em cena de Logan
Divulgação
Hugh Jackman em cena de Logan

“Logan” é tanto um road movie, dos mais insuspeitos, como um estudo de personagem elaborado. A economia narrativa do filme é algo que merece menção. Inclusive a violência – e ela não é despropositada – tem função narrativa. A brutalidade do meio em que vive e os ensinamentos que Logan filtra dele dão nova valoração ao fim do filme.

Leia também: Hora do adeus! Todas as vezes em que Hugh Jackman encarnou Wolverine

Trata-se também de um filme cujo principal legado para esse gênero já consolidado de filmes de super-heróis é expandi-lo. Revisionista, “Logan” aponta um caminho para ser seguido daqui adiante em meio ao cenário estafado e formulaico que Marvel e Warner praticam. A referência explícita a “Os Brutos Também Amam” (1953) não só revela a sofisticação dessa produção, como enseja uma pós-verdade: a de que é possível fazer um filme de super-herói sem deixar de fazer um filme adulto no sentido estrito do termo.