De vilões a super-heróis, os filmes do gênero parecem não fazer tanto sucesso na Academia, mas caminham para conquistar seu espaço

Muitas especulações acerca de “Deadpool” rondaram as indicações do Oscar 2017 . Fãs acreditavam que o filme teria chances de emplacar em algumas das categorias da premiação, inclusive na mais importante delas, a de Melhor Filme. Entretanto, a lista divulgada no final de janeiro rompeu com as expectativas dos cinéfilos mostrando que não foi dessa vez que um filme de super-herói rompia as tradicionais barreiras da Academia. Para o professor da University of Southern California nos Estados Unidos, Henry Jenkins, o passado da premiação apresentava um cenário um pouco diferente.

Com a chegada do Oscar 2017, as expectativas que
Reprodução
Com a chegada do Oscar 2017, as expectativas que "Deadpool" emplcaria na lista de indicados eram grandes


Leia mais: Oscar celebra diversidade em plena era Trump e sela favoritismo de La La Land

“Se você voltar para o começo dos Prêmios da Academia, temos filmes de diversos gêneros, como o terror ‘Dr. Jekyll and Mr. Hyde’ indicado a Melhor Filme. Entretanto, a partir das últimas décadas, provavelmente começando nos anos 1960, tudo o que fizemos foi nos tornarmos mais conservadores”, analisa o professor. Para ele, a indicação de filmes no Oscar tornou-se previsível. “Chegamos a um ponto em que no começo do ano sabemos quais são os filmes do Oscar daquele ano. De um lado, Hollywood tende a reconhecer filmes históricos épicos e biografias e, de outro, clássicos melodramas e com problemas sociais. Comédias, por exemplo, tem saído da lista nas últimas décadas”, revela Jenkins, que reconhece no Oscar 2017 um arranjo mais diverso de gêneros na lista de indicados.

Leia mais: Ator de "Luke Cage" e "House of Cards" deve ganhar Oscar de ator coadjuvante

Apesar de não ter alcançado as melhores categorias, os filmes de super-heróis emplacaram em Melhor Efeitos Visuais e Melhor Maquiagem com “Doutor Estranho” e “Esquadrão Suicida”, respectivamente. Para Jenkins, o critério destas categorias é outro, o que explica o reconhecimento dos filmes na lista de indicados. “Eles estão buscando geralmente mais ceticismo e menos drama porque isso permite uma exibição espetacular de talento técnico e inovação”, comenta. “Então, não é acidente que ‘Doutor Estranho’ apareça como efeitos visuais quando ele busca representar uma realidade radicalmente diferente daquela que nós estamos acostumados; Ou que ‘Esquadrão Suicida’, que precisou da criação de diferentes monstros e vilões espetaculares esteja indicado para melhor maquiagem. É aí que esses tipos de filmes ganham prêmios da academia”, completa. Entretanto, o professor alerta: “há um certo tipo básico de hierarquia onde os filmes que são considerados pelos prêmios técnicos são raramente os mesmos que são considerados nos melhores prêmios”.

Leia mais: Recordista entre negras no Oscar, Viola Davis deve vencer como atriz coadjuvante

Os vilões

Apesar da resistência da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos em reconhecer os filmes de super-heróis, há uma tendência dos longas com anti-heróis terem mais espaço em relação ao seu reconhecimento, como aconteceu este ano com filmes como “Esquadrão Suicida”, “Animais Noturnos” e “A Qualquer Custo”. “Acho que há uma tendência de que quase todos reconheçam trabalhos que empurrem um outro lado mais cético. "Se você vai dar um prêmio a um musical será algo como 'La La Land', que se não é um anti musical, então é um musical cético. Um musical onde o protagonista está sempre testando as nossas expectativas em relação ao gênero", explica Jenkins. “Há uma tendência de ver o fraco como mais sério, mais importante. Uma tendência de procurar mais trabalhos céticos como reflexão de qualidade comparado a outros trabalhos mais afirmados”, completa.

O futuro dos super-heróis

Reprodução
"Capitão América: Guerra Civil" foi um dos grandes filmes do ano para Jenkins

Para Henry Jenkins, “Batman: O Cavaleiro das Trevas” foi um grande marco para os filmes de super-heróis e “Capitão América: Guerra Civil” também entra na conta de bons filmes produzidos nos últimos anos. “O desafio é imaginar a Academia se abrindo suficientemente para dar ao ‘Capitão América: Guerra Civil’ um prêmio”, revela. Entretanto, o tradicionalismo da Academia não seria a única explicação para que as estatuetas do Oscar não chegassem às mãos dos criadores de filmes do gênero. “Nós temos que entender nos termos da academia que ela está fornecendo a si mesma uma alternativa meio que encorajando, incentivando a produção de filmes que poderiam ter um risco comercial e utilizando o prêmio como uma maneira de contrabalancear o mercado”, revela o professor.

Nesse aspecto, os filmes de super-heróis se apresentam como desinteressantes aos olhos da Academia, como avalia o professor. “Pensando em larga escala, amontoar qualquer personagem em alguma produção da Marvel possivelmente está tornando-se tão genérico nos olhos de Hollywood e é o que o Oscar luta contra. Eles fazem mais dinheiro do que precisam, não há razão para concorrer aos prêmios, não é como um filme como 'Moonlight: Sob a Luz do Luar' que ganha visibilidade com o prêmio”, analisa. “Então eu suspeito que para que um filme de super-herói ganhar esse prêmio teria que ser um filme que não tenha esse suporte extra. Tem que ser algo que seja novo e instintivo, mas o tempo trará para o gênero de super-herói reconhecimento”, completa o professor.  

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.