Produção já em cartaz nos cinemas brasileiros concorre a seis Oscars, incluindo filme, roteiro adaptado e atriz coadjuvante para Nicole Kidman

De vez em quando surge um filme pequeno não americano, ainda que falado em inglês, distribuído pelos irmãos Weinstein que vai ganhando buzz ao longo do ano e chega forte ao Oscar . Na temporada 2017, esse filme é “Lion – Uma Jornada para casa”. São muitas as semelhanças entre o filme e o grande vencedor do Oscar 2009, a começar pelo protagonista Dev Patel . Cá como lá, um menino indiano sobrevive a incríveis adversidades e confecciona uma extraordinária história de superação.

Leia Mais: "Deadpool" engrossa lista de esnobados no Oscar, mas por que tão séria academia?

Cena do filme Lion - uma jornada para casa
Divulgação
Cena do filme Lion - uma jornada para casa

As diferenças, no entanto, jogam a favor de “Lion – Uma Jornada para Casa” . Baseado em uma história real, o filme recria a trajetória de Saroo Brierley, apoiando-se no livro “A Long Way Home” de autoria do próprio Saroo. Quando criança, o menino se perdeu de sua família por uma série de infelizes eventos. Passou meses de agonia nas ruas e em um orfanato antes de ser adotado por uma família australiana. Já adulto, se lança em uma insidiosa investigação para descobrir o paradeiro de sua mãe e irmão biológicos.

Leia mais: Documentário indicado ao Oscar, “Eu Não Sou Seu Negro” desnuda América racista

O filme australiano, falado em inglês, bengali e hiindi, dois dialetos indianos, se aparta fundamentalmente da comparação com o famoso filme de Danny Boyle por buscar matizes do cinema indiano e evitar a aura hollywoodiana tão disseminada no acelerado “Quem Quer ser um Milionário?”. Os personagens respiram e não são apenas arquétipos.  Nicole Kidman e David Wenham, que fazem o casal rico australiano decidido a dar amor a quem precisa, mesmo com pouco tempo em cena, adensam seus personagens com uma eficácia tremenda. Um mérito que precisa ser compartilhado com o diretor Garth Davis , aqui em seu primeiro – seguramente de muitos – longa-metragem para cinema. Ele demonstra irrepreensível domínio da história. Se o primeiro ato pode parecer excessivamente piegas e um tanto manipulador a princípio, o desfecho do filme o legitima com força dramática ímpar. Davis tem seu filme na mão, mas o adorna com interpretações generosas, trilha sonora precisa e pontual e uma montagem que sabe mexer com o expectador no momento certo.

Dev Patel em
Divulgação/Adoro Cinema
Dev Patel em "Lion - Uma Jornada para Casa", de Garth Davis


“Lion” é um filme muito bem vitaminado. Há grandes cenas, como quando essa família com um passado cheio de dor e silêncios se reúne em um jantar e ressentimentos ganham voz.

Davis é hábil em pegar uma história de grande valor humano, como essa em que um casal que tem tudo na vida decide doar amor, o artigo mais valioso e escasso no mundo de certas pessoas, e de como a culpa se manifesta da maneira mais súbita e atroz – e uma iguaria da cozinha indiana é sutilmente usada como artífice desse vendaval emocional.

Leia mais: Com frieza científica, "Eu, Olga Hepnarová" busca entender legado de assassina

Dev Patel, que também brilhou em 2016 em “O Homem que Viu o Infinito”, alterna leveza e intensidade em um papel tão carente de um ator no melhor de sua forma e acaba entregando a performance de sua carreira até o momento.  Mas sua atuação não teria metade do impacto emocional se não fosse pelo carismático Sunny Pawar , que abraça o personagem de Saroo quando criança, com muito coração. É de seu olhar tenro, gentil, mas também amedrontado, que “Lion – Uma Jornada para Casa” larga para se tornar o filme cativante que é.