Se confirmar favoritismo, atriz será a quinta vencedora na categoria em dez anos. Ela concorre pelo ainda inédito no Brasil, “Um Limite Entre Nós”

É a primeira vez que a categoria de melhor atriz coadjuvante tem três atrizes negras nomeadas. É justamente esta a categoria mais receptiva à vitória de atrizes negras. Foram quatro nos últimos nove anos. Jennifer Hudson em 2007, Mo`Nique em 2010, Lupita Nyong’o em 2014 e Octavia Spencer em 2012. Esta última, vitoriosa por “Histórias Cruzadas” volta à disputa este ano por “Estrelas Além do Tempo”. Filme e performance são muito parecidos com os que lhe valeram o triunfo, mas dessa vez há uma força da natureza que atende pelo nome de Viola Davis .

Leia mais: Ator de "Luke Cage" e "House of Cards" deve ganhar Oscar de ator coadjuvante

As indicadas a melhor atriz coadjuvante no Oscar 2017
Divulgação
As indicadas a melhor atriz coadjuvante no Oscar 2017

A protagonista da série “How To Get Away With Murder” tem ganhado todos os prêmios possíveis e imagináveis por sua atuação em “Um Limite entre Nós” , de Denzel Washington. Ao receber a indicação ao Oscar em 2017, Viola Davis conquistou outro feito notável: tornou a primeira mulher negra ostentar três indicações ao prêmio da Academia. As outras foram por “Histórias Cruzadas” (2011) e “Dúvida” (2008). Paira sobre sua candidatura àquela incômoda contestação de que se trata de uma protagonista concorrendo como atriz coadjuvante . Ano passado, a vencedora Alicia Vikander (“A Garota Dinamarquesa”) passou pela mesma coisa.

Leia mais: Dez curiosidades sobre o Oscar 2017

Caprichos de estúdios e da Academia à parte, Viola Davis parece mesmo indomável em 2017. Acumulando vitórias no Globo de Ouro e no Emmy por seu trabalho na TV e defendendo uma personagem que já lhe valeu o Tony no teatro, o Oscar parece indesviável em uma carreira que não parece conhecer limites de consagração. Em 2015, Viola tornou-se a primeira atriz negra premiada com o Emmy de atriz principal.

Naomie Harris em cena de
Divulgação
Naomie Harris em cena de "Moonlight", pelo qual ela concorre ao Oscar de atriz coadjuvante

Não adianta fugir. No ano seguinte ao #oscarssowhite, a presença de três atrizes negras nesta categoria que parece ter resistido ao longo dos anos ao impulso branqueador verificado em outras categorias é sintomático. Naomie Harris , hipnotizante como a mãe drogada do protagonista de “Moonlight” talvez lembre outra performance vitoriosa aqui, a de Mo’Nique em “Preciosa”, mas Harris é a melhor entre as indicadas de 2017.

O Oscar navega entre lugares-comuns, hypes e qualidade. Eventualmente eles confluem e em 2017, nessa categoria, Viola Davis parece a candidata mais alinhada às expectativas de dentro e fora da indústria.

Leia mais: "Ele é a alma da festa", diz Naomie Harris sobre dividir o set com Will Smith

Além da cor da pele

Nicole Kidman não recebia uma indicação desde 2011, quando fora indicada a melhor atriz por “Reencontrando a Felicidade”.  Nomeada por “Lion: uma Jornada para Casa”, em que vive uma mulher cheia de amor, mas inevitavelmente afetada pelo amargor que acometem às mães impossibilitadas de resolver os problemas e traumas de seus filhos adultos. É uma atuação tão vigorosa e responsável pela base emocional de “Lion” e o expectador nem mesmo se dá conta disso. Mas Nicole Kidman não tem qualquer chance no Oscar que sucede o infame #oscarsowhite.

Tampouco tem Michelle Williams, soberba em “Manchester à Beira-Mar”. Em sua quarta indicação ao Oscar, a atriz era apontada como favorita lá em setembro, antes de Viola entrar na disputa por atriz coadjuvante. Fora o desempenho de Octavia Spencer, talvez a companheira de elenco Janelle Monáe merecesse mais a vaga, são trabalhos pulsantes, emocionais e que merecem a celebração da indústria independentemente da tentação persistente de valorar tudo pela cor da pele.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.