Produção do Canal Brasil estreia nesta sexta-feira (13) e promete colocar nossos desejos no divã. Produção é assinada pelo cineasta José Joffily

Branca Messina hipnotiza em Amor de 4
Divulgação
Branca Messina hipnotiza em Amor de 4

Diretor de filmes que refletem sobre as relações amorosas como espelho de nossa identidade, como “Achados e Perdidos” (2006) e “Mão na Luva” (2013), José Joffily estreia nesta sexta-feira (13) às 22h no Canal Brasil uma série que dialoga com essas obras. “Amor de 4” foi idealizada e escrita por Marcelo Santhiago . A narrativa acompanha a trajetória de um jogo de sedução, ao mesmo tempo estimulante e sofrido, além de tratar de afeto e de sexualidade dos dois casais que estão no centro da trama. 

Leia mais:  Netflix faz a adaptação de "Desventuras em Série" que os fãs sempre quiseram

Regressando da França após uma temporada, Elisa (Branca Messina) se hospeda na casa do casal Flávia (Carolina Chalita) e Miguel (Igor Cotrim), sua prima e seu ex-namorado, respectivamente. Da Europa, a jovem traz consigo o novo namorado, Alain (Nicola Lama), um sociólogo que tenta se lançar como escritor.  “Amor de 4” começa  com a chegada de Alain que interrompe uma transa de Miguel e Flávia. É um ponto de partida ousado para a série, que deflagra uma crescente de ansiedade e despudor. Tanto por parte dos personagens, como pela audiência.

Leia mais: Obra-prima, “A Criada” conta história de amor com cinismo e fetiches sexuais

Miguel, rude, alcoólatra e provavelmente impotente, sente a chegada de Elisa e reage ao flerte que se estabelece quase que organicamente entre Flávia e Alain, para todos os efeitos, uma versão muito melhorada de Miguel, além de ostentar sotaque francês.  Ao longo de cada capítulo, essa complexa rede de sentimentos vai colocar os personagens em um jogo de cobiça, luxúria, amor e ódio. São sete episódios ao todo, que também podem ser conferidos no Canal Brasil Play pela internet.

Inteligente e com diálogos cortantes, a série tem o mérito de ser sensual sem ser gratuita. A franqueza do texto, mas também das cenas, remete a filmes tão distintos, mas complementares sob essa ótica da problematização das relações amorosas, como os franceses “Para Poucos” (2011) e “Pintar ou Fazer Amor” (2004) e o americano “Closer – Perto Demais” (2004).

Leia mais: Diretor evoca Shakespeare e tira dos trilhos a  adaptação de "Assassin´s Creed"

“Amor de 4” merece a atenção de quem gosta de um entretenimento adulto, inteligente e que não tem vergonha em falar de sexo. Uma das boas apostas desse começo de 2017.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.