A atriz comentou que esta encenação é a realização de um sonho e quis fugir das influências de Liza Minnelli, sua "diva"

Claudia Raia nesta segunda-feira (24) durante a encenação do
AgNews
Claudia Raia nesta segunda-feira (24) durante a encenação do "Cabaret"
Claudia Raia retorna aos palcos paulistas na próxima sexta-feira (28) com o musical "Cabaret", que fica em cartaz no Teatro Procópio Ferreira até fevereiro de 2012. A atriz e o elenco se reuniram na tarde desta segunda-feira (24) para uma coletiva de imprensa, na qual foram apresentadas duas cenas da abertura do espetáculo e ela mostrou parte de sua caracterização e de sua performance.

Siga o iG Gente no Twitter e receba as notícias das celebridades em tempo real

O musical conta a história da inglesa Sally Bowles (Claudia) com o escritor americano Cliff Bradshaw ( Guilherme Magon ). Cliff, originalmente, seria interpretado por Reynaldo Gianecchini , que precisou se afastar da peça para o tratamento do seu câncer no linfoma não-Hodgkin .

A atriz está empolgada com o projeto e comentou que encenar Cabaret é a realização de um sonho e que esta versão segue o texto e música, mas o cenário e o figurino foram adaptados especialmente para esta encenação. “É a realização de um sonho. É uma loucura o que foi feito com este teatro. O aproveitamento do cenário é impressionante. Somos uma equipe de 70 pessoas, então todos cabemos. A gente fez a o nosso Cabaret, claro que mantendo o texto e as músicas, mas mexemos em tudo: cenário, figurino, humor”, comentou.

LEIA MAIS: Claudia Raia: "O Gianecchini está muito bem"

José Possi Neto , que assina a direção do musical, comentou sobre a diferença da versão brasileira para as demais montagens já feitas pela Broadway. “Quando você compra os direitos autorais de um espetáculo, existem condições a serem seguidas. O cenário vem de fora, a coreografia vem de fora, os arranjos também. Mas existe a outra forma de comprar os direitos, que é o coração do musical e você pode fazer a sua montagem. Cabaret é um clássico. Por isso, optamos por dar nossa releitura", contou ele.

Claudia Raia conversou com a imprensa na tarde desta segunda-feira (24)
AgNews
Claudia Raia conversou com a imprensa na tarde desta segunda-feira (24)
Este é o primeiro trabalho do diretor com Claudia, mas a vontade de trabalhar em parceria é de longa data. “A gente namora há 20 anos”, comentou ele. “E agora a gente casou, essa é a bomba da entrevista”, brincou a atriz, completando a fala de José.

A história se passa na decadente casa de espetáculos noturna Kit Kat Club, em Berlim, no ano de 1931. Sally tem vícios que Claudia revela não ter, como álcool e cigarro. “Eu não bebo uma gota de álcool. Isso eu não tenho referência nenhuma”, falou ela, que é ex-fumante e, por isso, os cigarros cenográficos serão feitos sem nicotina, a base de folhas de alface. “Interpreto uma mulher que bebe gim que não é brincadeira. Mas esses são os nossos desafios legais”, ressaltou.

Claudia Raia e Jarbas Homem de Mello
AgNews
Claudia Raia e Jarbas Homem de Mello
Claudia confirmou que estava empenhada em fazer este papel há pelo menos 20 anos, porém nunca tivera a oportunidade. Ela falou que lutou para conseguir os direitos autorais e, enquanto não conseguiu, fez outros projetos. “Foi uma brincadeira de Tom e Jerry, eu e a Sally Balls. Começou há anos, não conseguíamos comprar os direitos. Então fiz Sweet Charity e continuei lutando pelos direitos”, contou. “Chamei o Sandro Chaim [produtor] e falei: 'A gente tem que correr atrás desse Cabaret, ele tem que ser meu antes que eu fique velha e de cadeira de rodas”, completou. Porém, a atriz acredita que o papel chegou no momento certo em sua vida. “Mas acho que talvez eu não teria maturidade suficiente para este papel antes”, destacou.


Influência de Liza Minelli

No cinema, "Cabaret" conquistou oito estatuetas do Oscar e consagrou Liza Minnelli no papel da cantora inglesa Sally. Claudia confessou que é fã de Liza e, por isso, não quis se influenciar na artista, para conseguir dar o seu tom ao personagem. “Saí da interpretação da Liza, que é a minha grande musa. Ela é o meu maior ícone e eu precisei fazer a peça de outro lugar. Então, fiz a minha Sally, com as minhas cores”, falou.

A atriz contou também que precisou se distanciar também de sua marca, para não confundir o personagem. “Tentei tirar a Claudia Raia e aprisioná-la. Existe essa coisa que a pessoa se confunde com o personagem, mas eu tentei tirar ao máximo”.

Preparação e boa forma:

O corpo de Claudia está em forma para a apresentação. A atriz comentou que usa trajes mínimos em cena e, para fazer bonito, fez de “tudo” durante a sua preparação. “Fiz de tudo o que você pode imaginar. Minha preparação física contou com aula de malhação, teve a nutricionista que também me orientou muito, porque eu fico muito de calcinha e sutiã nesse espetáculo, fico muito exposta. Também fiz muita aula de balé”, falou.

Claudia Raia e sua boa forma para o espetáculo
AgNews
Claudia Raia e sua boa forma para o espetáculo

Mas a preparação também contou com forte trabalho de preparação vocal. “O Marconi (Araújo) me ensinou uma nova voz que estava muito escondida. Então sou muito grata a ele pela paciência e dedicação e tudo o que na verdade engatinho hoje como cantora, que eu pretendo um dia caminhar como cantora. Foi ele que me deu tudo isso. O trabalho vocal é o que eu menos exercitei nessa vida. Ele é o único preparador vocal de teatro musical que realmente entende de musical”, elogiou.


O substituto de Gianecchini:

Guilherme Magon, que atuou em Mamma Mia!, foi o substituto de Reynaldo Gianecchini. O rapaz ganhou elogios de Claudia, que o considera muito maduro para a sua idade. “Ficamos encantados com ele logo no início. Ele é um belo ator que tem apenas 25 anos de idade, mas gosto de dizer que ele tem 25 anos de maturidade”, disse. “Ele teve uma química imediata com a Claudia, de faísca, que é tudo que o personagem precisa", completou o diretor. Guilherme, por sua vez, comentou que entrou para o elenco por meio de teste. “A Claudia é uma atriz que preza pela qualidade e entrei para o elenco por teste”, falou.

Adaptação:

Miguel Falabella é o responsável pela adaptação do espetáculo. "Tinha certeza de que seria o Miguel que faria a versão brasileira. Nós temos um amor em comum por esse musical e dentre todas as adaptações maravilhosas dele, essa sem dúvida é a melhor. Caiu uma luz divina sobre ele. Se é que algum dia essa luz divina não caiu no Miguel", concluiu.

Claudia Raia
AgNews
Claudia Raia


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.