Ator também disse que vai processar em R$ 500 milhões a CBS, emissora de "Two and a Half Men", por estar desempregado

Charlie Sheen durante entrevista ao
SplashNews
Charlie Sheen durante entrevista ao "Good Morning America"


A guerra entre Charlie Sheen e a CBS, emissora que exibe o seriado "Two and a Half Men", está apenas começando. Depois de um período de tensão entre as duas partes - o ator se ausentou das gravações para fazer tratamento de reabilitação, enquanto a equipe aguardava sua recuperação -, a situação explodiu recentemente, e o programa foi cancelado .

Na manhã desta segunda-feira (28), o astro da série apareceu no programa "Today Show", da rede NBC, concorrente da CBS. No programa, o ator declarou que vai exigir que sua emissora se desculpe publicamente por ter lhe pressionado e causado "danos psicológicos". Disse, inclusive, que pretende processar a emissora em R$ 500 milhões, por estar agora desempregado.

"Veja como eles me deixaram. Eu posso continuar fazendo a série até a décima temporada, mas quero R$ 5 milhões por episódio, é pegar ou largar", disse Sheen.

"Estou sendo mal pago. Quando você vê o dinheiro que os produtores estão fazendo...", continuou Sheen, que até a última temporada do programa faturava R$ 3,5 milhões por semana. "Cansei de fingir que não sou especial. Cansei de fingir que eu não sou um rockstar de Marte e as pessoas não me entendem. É difícil me entender com um cérebro comum", completou.

Ainda nesta tarde, o agente do ator, Stan Rosenfield , que também cuida de George Clooney e Kelsey Grammer , pediu demissão. Algumas horas depois, Charlie disse ao site "TMZ": "Ele não pode se demitir. Então eu demito ele", disse.

Sobre seus problemas com álcool e drogas, o ator afirmou: "Sou diferente. Apenas tenho uma constituição diferente. Tenho um cérebro diferente. Tenho um coração diferente. Morrer é para os tolos". Sheen declarou ainda que corre "sangue de tigre" em suas veias.

Os estúdios da Warner, onde a série era gravada, por sua vez, baniram Charlie Sheen. Segundo o site "RadarOnLine", a ordem foi emitida na noite de sexta-feira (25), e toda a equipe de segurança foi avisada de que o ator está proibido de entrar no local.

A proibição foi ridicularizada por Sheen, que ainda no "Good Morning America" comentou: "Bem, isso é estranho, considerando que a Warner só continua funcionando graças ao meu programa. Isso não importa, porque depois de quarta-feira eles terão de renomear a Warner Bros., e chamá-la de Charlie's Bros. Vou despedir esses palhaços e levar minha própria equipe".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.