No Rio de Janeiro, para apresentações do show ‘De Volta Aos Bares’, a dupla sertaneja falou sobre a sua trajetória para o sucesso

Com 15 álbuns gravados e cinco DVDs, 13 milhões de cópias vendidas e mais de 150 shows anuais, Bruno e Marrone se consagram como um dos principais artistas populares brasileiros. Formada pelos cantores goianos Vinícius Félix de Miranda, conhecido artisticamente como Bruno, e por José Roberto Ferreira, o Marrone, a dupla foi apresentada pelo cantor Leonardo . Desde lá, são mais de 20 anos tocando juntos e muitas histórias. “Nós temos uma relação muito legal. Agora no inicio do ano, inclusive, nos abraçamos e choramos. Bom, pelo menos eu chorei. Pedi perdão por tudo que fiz de maldade, para começarmos esse ano zerado”, contou Bruno.


A dupla Bruno e Marrone está excursionando com o show
George Magaraia
A dupla Bruno e Marrone está excursionando com o show "De volta aos bares"

Se a pirataria é um monstro na vida de muitos artistas, para Bruno e Marrone ela foi uma grande aliada para o sucesso. Isso por que a gravação de um programa de rádio em que a dupla participou, em 1999, foi comercializada clandestinamente em todo o Brasil. Devido à tamanha difusão e aceitação do disco, este foi oficializado e lançado legalmente. “A pirataria ajudou a nossa carreira. Ela foi horrível para as gravadoras e para a música em geral. Mas para gente, foi uma forma de divulgação em massa”, disse Bruno.

Bruno e Marrone
George Magaraia
Bruno e Marrone
De volta ao Rio de Janeiro para apresentações do show “De Volta aos Bares”, a dupla Bruno e Marrone recebeu o iG Gente nos bastidores do Citibank Hall, nessa sexta-feira (28), para um bate-papo bem descontraído. Em meio a loucura de um show, eles conversaram sobre a carreira, os próximos projetos e a febre do sertanejo que invadiu o Brasil. “Fico muito feliz porque a gente plantou a sementinha e, agora, estão surgindo muitos artistas bacanas”, afirmou Marrone.

Confira abaixo a entrevista completa:

iG Gente - Esse trabalho “De volta aos Bares”, faz uma retrospectiva da carreira de vocês . Como surgiu o projeto?
Bruno - A ideia veio pela própria história da nossa carreira, já que começamos a cantar em bares. Durante quase 10 anos, nós fizemos isso quase todos os dias. Então, em 2009, nós pensamos em resgatar o que cantávamos nos bares, junto com músicas dos nossos primeiros CDs.
Marrone - É legal porque a galera que não curtiu essa época, vai poder conhecer esse nosso lado.

iG Gente - Vocês tocam juntos há mais de vinte anos. Como é a relação de vocês fora do palco?
Bruno - Fora do palco a gente briga direto...(risos).
Marrone - É brincadeira!
Bruno - Nós temos uma relação muito legal. Agora no inicio do ano, inclusive, nos abraçamos e choramos. Bom, pelo menos eu chorei. Pedi perdão por tudo que fiz de maldade, para começarmos esse ano zerado. Apesar de não ter maldade, às vezes tem brincadeiras que a gente faz, que magoa. A gente sempre procura fazer isso: rever os conceitos e tentar melhorar as nossas personalidades.

iG Gente - Como vocês analisam essa febre do sertanejo no Brasil, com o boom do sertanejo universitário?
Bruno - Estamos achando esse boom muito legal, porque o sertanejo sempre foi uma bandeira que nós lutamos. Esses novos artistas, vários com muita qualidade, fazem com que a nossa música cresça cada vez mais. Pode ser até que o mercado fique dividido, mas a gente já fez tanto, que vamos continuar trabalhando muito, se Deus quiser.
Marrone - Eu fico muito feliz com esses novos artistas. Quando eles chegam até a gente, eles nos agradecem porque nós abrimos as portas para eles, já que somos os precursores do acústico e modernizamos o mercado sertanejo. Fico muito feliz porque a gente plantou a sementinha e, agora, estão surgindo muitos artistas bacanas.

Bruno e Marrone cantaram sucessos como
George Magaraia
Bruno e Marrone cantaram sucessos como "Dormir na Praça" e "Favo de Mel"

iG Gente - Mesmo assim, a música sertaneja só toca em rádios voltadas para esse público. Vocês acreditam que ainda há muito preconceito?
Bruno- Acho que às rádios do Rio de Janeiro ainda tem preconceito, sim. Só tem uma emissora que toca esse tipo de música. Mas, com as noites voltadas para música sertaneja, isso é uma questão de tempo. Cedo ou tarde, eles vão acabar tocando porque a voz do povo é a voz de Deus.

iG Gente - Vocês participaram do especial do Roberto Carlos no ano passado e já gravaram várias músicas dele. Como é a relação da dupla com o cantor?
Bruno - Na verdade, nós só conhecemos o Roberto Carlos, pessoalmente, quando fomos ensaiar o projeto “Emoções Sertanejas”. Fiquei impressionado. Realmente, ele é um cara maravilhoso, simples e que merece esse titulo de Rei. Ele está há 50 anos dominando o mercado, com o seu público cativo. É uma inspiração para qualquer artista.
Marrone - Roberto Carlos é uma energia. Quando a gente o conhece pessoalmente, ele passa uma sensação muito boa. Muito mais do que a gente possa imaginar. Não é por acaso que ele é o rei.

iG: A pirataria é um problema para o mercado musical, mas em 2009, uma versão pirata do CD “Bruno e Marrone – Acústico” fez um enorme sucesso, acarretando até a gravação de um álbum no mesmo formato, que vendeu milhões de cópias. Como é a relação de vocês com a pirataria?
Bruno - A pirataria ajudou a nossa carreira. Ela foi horrível para as gravadoras e para a música em geral. Mas para gente, foi uma forma de divulgação em massa. O mercado estava muito restrito para as novas duplas. Só existia o Zezé di Camargo e Luciano, Chitãozinho & Xororó e Leonardo. As rádios só tocavam músicas deles. Graças a Deus e à pirataria, conseguimos furar esse bloqueio e estouramos. E, através do nosso sucesso, vieram outras duplas. No final, todo mundo saiu ganhando.

iG Gente - Quais são os próximos projetos de vocês?
Bruno - Eu tenho muita vontade de fazer um CD só de boleros. Ainda é um projeto, estamos analisando com a gravadora. Mas, para esse ano, queremos lançar um novo DVD, baseado no CD “Sonhando”. Devemos gravá-lo em abril.
Marrone - O Bruno é muito fã do cantor Luiz Miguel, que canta boleros maravilhosos. Além dessa ideia do CD de boleros, estamos querendo gravar um disco todo em espanhol...Não sei para quando, mas temos muitos projetos e ideias.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.