Modelo surda conversou com o iG sobre o casamento com o bilionário Karim Al-Fayed e os desafios de ser mãe

Brenda relaxa na praia de Ipanema
Selmy Yassuda
Brenda relaxa na praia de Ipanema
Fazia frio na praia de Ipanema, mas a modelo Brenda Costa não se incomodou. Num tradicional fim de tarde de inverno ela conversou com exclusividade com o iG sobre maternidade, o casamento com o bilionário Karim Al-Fayed e a vontade de participar de uma campanha beneficente para pessoas com deficiência auditiva. “Somos pessoas normais e não existem impedimentos para quem é surdo”, frisa.

Mesmo com a agenda apertada por conta de compromissos profissionais, a modelo ainda conseguiu passar uma semana em sua casa no bairro carioca do Leblon. "Divido minha vida entre Londres e o Rio. Faço questão de vir para visitar minha família e matar a saudade dos amigos", disse.

Acostumada a fazer exercícios, ela não dispensou as atividades físicas e a presença do personal trainer, Alexandre Campanelli , para manter a boa forma. Com 55 kg muito bem distribuídos por 1,77m, Brenda tem feito um intenso trabalho de musculação para não ficar com a aparência muito magra. "Preciso de massa muscular para ficar mais gostosa", explica.

Brenda nasceu surda e com o apoio dos pais, Marcos e Fátima, não aprendeu a linguagem dos sinais e nem estudou em escola especial. Passou por dificuldades de adaptação, mas aprendeu a ler lábios e garante que sempre contou com o auxílio de terapeutas e fonoaudiólogos para estimular a fala. "Não sou muda. Consigo falar com as pessoas".

Casada há quase cinco anos com Karim Al-Fayed, irmão de Dodi Al-Fayed, namorado da Princesa Diana , e herdeiro do Hotel Ritz, em Paris e da Harrod’s, ela garante que desconhecia a origem do fotógrafo quando se conheceram durante uma campanha. Discreta quando o assunto é a família do marido, ela apenas comenta: “essa é a nossa vida particular. Somos uma família normal”.

Ao contrário de Brenda, Karim ficou surdo aos seis anos, após contrair meningite, mas também passou pela mesma cirurgia que a mulher para um implante coclear, técnica também conhecida como ouvido biônico, que permite recuperar parte da audição. "Nos comunicamos por leitura labial e nossa filha já percebeu nossa deficiência", revelou ela.

Aos 27 anos, Brenda tem o sonho de se tornar a garota propaganda de uma campanha beneficente para deficientes auditivos. "Gostaria de mostrar meu exemplo de superação e força para os que passam pelo mesmo que eu", explicou.

Depois de tomar uma água de coco, Brenda se despediu com um enorme sorriso para mais uma caminhada solitária em pleno calçadão. Atenta apenas ao barulho do vento que tanto desejou escutar.

A modelo faz questão de cuidar pessoalmente de sua filha
Selmy Yassuda
A modelo faz questão de cuidar pessoalmente de sua filha

iG: Brenda, você está passando uma temporada no Rio ou veio para algum trabalho em especial?
Brenda Costa:
Vim para o fechamento de um novo contrato na área de cosméticos que, em breve, poderei divulgar e para visitar minha família.

iG: Você está retomando sua carreira após três anos. Por que uma pausa tão longa na carreira?
Brenda Costa:
Precisei dessa pausa para cuidar da Antonia. Faço questão de acompanhá-la em tudo e sou super mãe mesmo: faço comida, dou banho, levo para passear, coloco para dormir. Agora que ela está mais crescida e entrando na escolinha, consigo agendar meus trabalhos com mais tranquilidade.

iG: Você está em ótima forma física. Tem feito exercícios especiais?
Brenda Costa:
Tenho feito exercícios com meu personal Jimmy em Londres e, quando venho ao Brasil, também treino. Eu adoro malhar, mas não me culpo se não consigo treinar regularmente. Corro, caminho e faço exercícios localizados para manter minha massa muscular pois emagreço com muita facilidade. Às vezes, substituo a musculação por pilates ou ioga.

iG: Conseguiu perder tudo o que ganhou de peso na gestação?
Brenda Costa:
Engordei exatos 9 kg, o normal de uma gestação. Com o nascimento da Antonia, retive muito líquido e fiquei bem inchada. Porém, com a correria da amamentação, dieta saudável e exercícios, voltei à forma física em três meses.

iG: Como você e seu marido, Karim, se comunicam entre si?
Brenda Costa:
Nos falamos através de leitura labial e aprendemos a nos comunicar pelo olhar também.

iG: E como vocês se comunicam com a filha de vocês?
Brenda Costa:
Normalmente. Antonia é muito esperta. Ela percebeu nossa deficiênca auditiva e se comunica perfeitamente conosco.

iG: Você fala em português com sua filha?
Brenda Costa:
Em português e inglês. Ela está crescendo aprendendo as duas línguas.

Brenda Costa divide seu tempo entre Londres e o Rio de Janeiro
Selmy Yassuda
Brenda Costa divide seu tempo entre Londres e o Rio de Janeiro
iG: O que mudou em sua vida depois que casou?
Brenda Costa:
Mudou tudo, pois não posso decidir meus horários sozinha. Faço isso juntamente com meu companheiro e, quando se tem filhos, de acordo com eles também. Diminui meu ritmo de trabalho, pois me dedico muito à minha família.

iG: O que mudou em sua vida depois que teve a Antonia?
Brenda Costa:
Descobri o amor incondicional, mais puro e intenso que existe. Parei de trabalhar por um tempo, pois quero acompanhar o crescimento da minha filha de perto.

iG: Vocês têm planos de ter mais filhos?
Brenda Costa:
Gostaria, mas não no momento. Estou focada em minha carreira. Gostaria de ter mais um pelo menos. E, se for animando mais, outros (risos). Estou amando ser mãe.

iG: O que te fez escrever o livro, Bela do Silêncio, sobre sua própria deficiência auditiva?
Brenda Costa:
Minha história de superação e força de vontade pode ajudar muitas pessoas, sejam elas deficientes ou não. Tenho orgulho de chegar até aqui. Esse livro foi uma forma de expor minha trajetória e agradecer quem fez parte dela.

iG: Você foi uma criança menos feliz por causa da surdez?
Brenda Costa:
De forma alguma. Sempre fui e continuo muito feliz. Houve muitas dificuldades, mas minha família sempre me apoiou, ajudando a superá-las através de psicólogo, fonoaudióloga e muito amor.

iG: Você já realizou todos os sonhos de sua vida ou ainda falta algum? Qual seria esse sonho?
Brenda Costa:
Sim. Tenho uma família que eu amo; sou realizada profissionalmente e tenho amigos. Mas certamente ainda falta realizar muitos desejos que vou descobrindo com o tempo.

A modelo fez a cirurgia para recuperar uma parte da surdez em Paris
Selmy Yassuda
A modelo fez a cirurgia para recuperar uma parte da surdez em Paris
iG: Deve ser complicado andar cercada por seguranças quando acompanhada de seu marido e filha. Você acha isso ruim?
Brenda Costa:
Às vezes nos tira a privacidade, mas é importante. Prezo pela segurança da minha família.

iG: Como é sua relação com seu sogro, Mohamed Al-Fayed?
Brenda Costa:
Muito boa, nos gostamos muito meu sogro e eu. Há uma sintonia grande entre minha nova família em Londres e minha família brasileira.

iG:Sua filha convive com o avô?
Brenda Costa:
Sim, tanto com o avô paterno quanto com o materno. Como qualquer criança.

iG: O que você tem vontade de realizar profissionalmente que ainda não conseguiu?
Brenda Costa:
Gostaria de ser o rosto por campanha beneficente para deficientes auditivos e alertar a sociedade que todos são aptos para trabalhar normalmente.

iG: O que a estabilidade financeira te proporcionou?
Brenda Costa:
Minha estabilidade financeira aconteceu aos 17 anos, quando já era uma modelo internacionalmente conhecida e tinha conseguido meus primeiros contratos no exterior. Depois disso, graças a Deus, minha carreira ascendeu muito, até o momento que parei para ter Antonia. Sempre fui muito profissional e batalhadora, por isso consegui minha independência financeira.

iG: Qual foi o último presente que comprou para si mesmo?
Brenda Costa:
Comprei para mim um conjunto porta retratos para por fotos da nossa família

iG: E para seu marido?
Brenda Costa:
Comprei um livro sobre arte no museu de Van Gogh na última vez que viajei a trabalho para Amsterdam.

iG: Dá para perceber que você gosta de tatuagens. Quantas você tem?
Brenda Costa:
(Risos) Tenho 5 tatuagens. Duas delas na nuca: uma é´um olho de hórus e a outra são três bonecas de mãos dadas que representam a união que tenho com as minhas melhores amigas, Renata Assunção , Carol Averbach Andrade . No dedo anular esquerdo é um coração (junto com a aliança de diamantes), no pulso tenho o nome da minha filha Antonia e, no pé, tenho escrito “Ser diferente é normal” em italiano.

Brenda não esconde o desejo de ser mãe novamente
Selmy Yassuda
Brenda não esconde o desejo de ser mãe novamente

iG: O que você é capaz de fazer por amor?
Brenda Costa:
Não sei medir. Quando amo, eu amo de verdade, pois sou muito intensa.

iG: E você não vive sem...
Brenda Costa:
Blackberry para me comunicar, principalmente, quando estou trabalhando e Antonia não vem comigo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.