Estudante baiana resiste há mais de 16 horas na Prova de Resistência

Sisters conversam sobre os desafios da Prova de Resistência
Reprodução/TV Globo
Sisters conversam sobre os desafios da Prova de Resistência

Jakeline segue alternando momentos de lucidez com outros de choro na Prova de Resistência. Faminta, a baiana de 22 anos pediu para que os colegas parassem de falar de comida dentro do carro, onde já estão há mais de 16 horas. “Não falem de comida, porque me dá tremedeira”.

Ouvindo as lamentações da estudante, Kelly prometeu que vai evitar reclamar da dureza do confinamento. ”Você não vai me ver reclamar em momento algum, foi uma escolha minha (estar aqui) a partir do momento que eu me inscrevi”, disse.

Sentada ao lado da mineira, Mayara também prometeu deixar as lamentações de lado. “Tenho que me policiar, porque sei sou bem reclamona. Ninguém me obrigou a entrar. Ninguém me obrigou a ficar aqui”, reforçou.

Depois do desabafo, Jakeline contou aos colegas as delícias preparadas por sua mãe. E, em tom de brincadeira, pediu que ela lhe enviasse por telepatia um prato de comida.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.