A condenação do ex-BBB saiu em agosto, mas só foi divulgada na terça (12); Laércio era acusado de estupro de vulnerável e posse de pornografia infantil

De acordo com nota emitida pelo Ministério Público do Estado do Paraná na última terça-feira (12), o ex-BBB Laércio de Moura foi condenado pela Justiça a senteça de 12 anos de prisão por estupro de vulnerável e posse de material pornográfico com imagens de sexo explícito envolvendo crianças e adolescentes. Ele está preso preventivamente desde maio.

Leia também: Laércio de Moura se torna réu em processo por estupro de vulnerável

O ex-BBB Laércio de Moura foi condenado a 12 anos de prisão pela justiça do Paraná por estupro de vulnerável
Globo/Pedro Curi
O ex-BBB Laércio de Moura foi condenado a 12 anos de prisão pela justiça do Paraná por estupro de vulnerável


Sentenciado 

A decisão foi tomada pela Vara de Infrações Penais contra Crianças, Adolescentes e Idosos de Curitiba. A ação é datada de agosto desse ano, mas só veio a público nessa terça (12) após comunicado do Ministério Público. O ex-BBB estava recluso preventivamente desde maio. O processo incluia, segundo nota, "acusações de estupro de vulnerável, armazenamento de conteúdo de pornografia infantil e tráfico de drogas ". O réu foi sentenciado a 12 anos de reclusão pelos crimes citados, exceto tráfico, do qual foi abssolvido. 

Leia também: BBB 16: Facebook de Laércio tem fotos de adolescentes seminuas: "Efebófilo"

A investigação contra Laércio  já corria desde fevereiro de 2016, quando foi feita uma denúncia que alegava comprovar seu envolvimento com as práticas. O caso descrevia acusação de estupro contra vulnerável e a indução ao uso de bebidas alcóolicas por adolescente de 13 anos. 

Polêmica no programa

Participante da 16ª edição do reality show, o ex-BBB Laércio havia feito declarações polêmicas e conversas dentro da casa. O designer afirmou ser adepto de poligamia e revelou abertamente que se relacionava com adolescentes de 16 e 17 anos. A participante Ana Paula Renault na ocasião se revoltou contra ele e chegou a chama-lo de "pedófilo nojento".

Leia também: Ana Paula se diz "surpresa" com prisão de Laércio e relembra polêmica no BBB

Concomitante do lado de fora do estúdio surgiam denúncias na internet vindas de jovens que foram vítimas do bother antes de entrar para o programa e o caso desencadeou uma série de protestos de pessoas que se manifestavam contra as atidudes do ex-BBB. Em maio de 2016 a delegada Patrícia Conceição Nobre Paz, responsável pelo encaminhamento do caso quando houve denúncia formal contra ele, afirmou em entrevista ao iG que a apuração foi "sigilosa e discreta" até que pudessem identificar as vítimas do tatuador e que já na época, além do estupro de vulnerável, estava sendo investigados por outros crimes previstos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.