Participante que saiu do jogo com 87% dos votos comentou as polêmicas que marcaram sua passagem pelo programa

A eliminação de Luan na noite de terça-feira (10) da casa do "Big Brother Brasil" deixou os bastidores com clima tenso no ar. Normalmente, o eliminado do dia chega para dar uma coletiva para imprensa cerca de 20 minutos após o fim do programa. No caso de Luan, foram 40 longos minutos de espera. Pode até ser coincidência, mas o que pareceu foi um cuidado maior na entrega do jogador de volta ao mundo real. Junto com a marca de rejeição de 87% dos votos, Luan trouxe para os jornalistas poucos sorrisos e muitas respostas prontas.

Um grupo de cinco acompanhantes, entre familiares, assessores e produção da Globo, chegaram para as fotos na cola de Luan. De cara, ele avisou que não sabia a porcentagem de votos que havia recebido e nem o que estava rolando do lado de fora da casa.

"Estou acabando de sair do jogo, vou me situar na vida ainda", disse ele. Depois, o que se seguiu foi uma enxurrada de respostas breves (e, ao que tudo indica, bem orientadas).

De cara, o carioca foi questionado sobre a afirmação que fez na casa, quando disse que na invasão do Complexo do Alemão pelas Forças Armadas, ele, então parte do Exército, teria matado um rapaz mais novo. Luan disse que inventou a história.

"Na verdade, não houve essa experiência. No calor da emoção, eu acabei inventando essa história. Essa história não aconteceu, não teve nada disso. Era só para me sobressair, ter o que contar. Eu vi um monte de gente lá com histórias de vida interessantes, com várias coisas acontecendo. Acabei criando alguma coisa para ter destaque também para a galera. Só isso", falou.

"Não pensei (que poderia trazer repercussão negativa), eu estava curtindo o jogo, era tudo muito novo para mim, eu nunca vivi nada disso. Eu nem me recordo que dia que eu falei isso", completou ele.

Na época em que declarou o fato, o Exército retrucou a afirmação dizendo ser falsa. Luan reforçou que não tinha noção do que a história podia se tornar. "A gente começa a ter dimensão quando sai do jogo. Sobre o que o Exército falou, não posso comentar, porque não sei o que foi dito. Estou sem saber de nada ainda, acabei de sair da casa, estou reformulando o que vai ser minha vida ainda", falou.

A grande porcentagem que Luan conquistou na sua eliminação é um reflexo do seu jogo. Na casa, além das declarações polêmicas, Luan se colocou em situações comprometedoras, como quando roubou um empanado de frango do grupo Tá com Tudo, que não era o seu, ou quando comeu balas proibidas e ainda desmentiu Pedro Bial no ar.

Para essa última, ele retrucou: "Não é que eu desmenti, não. Eu não me lembrava o que tinha acontecido. Depois que saiu do ao vivo eu me lembrei, e falei com a casa toda qual foi a situação. Teve a discussão no dia da festa e eu tinha bebido, não lembrava nem que tinha colocado o chiclete no bolso. Só no dia seguinte fui mexer na minha calça, fui dobrar para colocar na gaveta e caiu no chão a goma de mascar. Nem imaginei que teria algum problema. Normalmente, se a gente faz algo errado, é chamado atenção".

Ele completou o assunto comida dizendo que roubo do frango não passou de uma travessura. "Acho que foi num domingo ou segunda, eu já estava emparedado. Comecei a brincar com Rafael e Talita, peguei o nugget e não poderia imaginar que ia acontecer o que aconteceu. Nem tinha me ligado que tinha uma câmera ali (na escada). Quando vi, pensei 'agora já foi'", relembrou ele.

Mais polêmica...

Logo no início do confinamento, Angélica bateu de frente com Luan quando ele falou na mesa a frase "todo preto é ladrão". Na coletiva após a eliminação, ele comentou a situação. "Foi como expliquei para ela lá dentro, foi questão de brincadeira. Tenho amigos da minha cor, mais escuros que eu ou vice-versa. A gente brinca entre si e aceita. Isso foi no segundo dia de jogo. Eu brinquei, ela não gostou, veio falar comigo. Eu me desculpei e não falei mais dessa forma".

Luan disse, no palco, que não se arrepende de nada do que fez e falou. E seguiu nessa linha. "Eu sou o Luan brincalhão, com sorriso no rosto, que bebe, que zoa, que ri, que está sempre no meio da galera. Esse foi meu terceiro paredão, eu nem imaginava que chegaria até essa altura do jogo. Depois que passei da segunda semana, eu fui deixando a vida me levar. Agora, se saí com essa porcentagem tão alta, não entendo o porquê de ter passado do primeiro paredão. Vou começar a ver as notícias agora", falou.

Ele ainda arriscou um palpite. "Pode ter sido discussão de quarta-feira que pode ter me atrapalhado no jogo", disse. "Eu entrei (no programa) para curtir, nunca imaginei estar lá dentro. A oportunidade bateu na minha porta e eu não poderia dizer não. Foi Deus que colocou para mim. Eu fui lá brinquei, curti e aproveitei a vida como poderia. Tinha o foco sim de vencer, sempre falei que tinha o sonho de comprar uma casa própria para minha mãe, mas em nenhum momento eu queria deixar de brincar, de falar, de zoar", garantiu ele.

Agora como telespectador, Luan opinou sobre o nome de quem acredita que deva levar a bolada de R$ 1,5 milhão. "O Rafael ou o Cézar. Eles são grandes jogadores e fortes. Pelo que estava enxergando ali dentro, são dois caras que jogam com o coração", palpitou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.