Cantora fala sobre a nova vida pouco glamurosa nos Estados Unidos, a fase mãe e dona de casa e diz que não se arrepende do passado

Gretchen:
Claudio Augusto
Gretchen: "Os homens me deixam porque acordam com Maria"
Sempre polêmica, Gretchen mais uma vez surpreendeu ao chegar no Brasil após repercussão de seu emprego como garçonete nos Estados Unidos . Ela voltou oa País para se apresentar com exclusividade na edição da Squat Party, no Estúdio Emme, em São Paulo, e atendeu a equipe do iG Gente a portas fechadas na noite desse sábado (5).

A eterna musa do bumbum  causou surpresa quando se recusou a fazer uma foto que ressaltasse o seu mais famoso atributo. “Isso não existe mais. Isso é coisa de Rita Cadillac , não é comigo. É outra história, outra vida. Aquela Gretchen do bumbum morreu faz tempo”, decretou ela, um tanto alterada.

Siga o iG Gente no Twitter e receba as notícias das celebridades em tempo real

Gretchen se diz uma mulher diferente, mais família:
Claudio Augusto
Gretchen se diz uma mulher diferente, mais família: "Eu era uma mãe por telefone"
Já mais calma, Gretchen não conseguia esconder o sorriso ao falar sobre o foco principal de sua vida nesses últimos tempos, que é vivenciar a verdadeira maternidade. Para ela, este é o motivo real de sua ida para os Estados Unidos. “Eu vivia extremamente pro meu trabalho e hoje estou me cuidando: tenho uma vida de dona de casa e cuido dos meus filhos. Estou mais tranquila e esse era o meu objetivo”,  contou a cantora, que revelou ter se cansado de ser "uma mãe por telefone".

A dançarina aproveitou para colocar um ponto final na história da estratégia de marketing que fez para divulgar o restaurante Netto´s, em Orlando, na Flórida, onde mora. “Foram dois dias de gravação de comercial e a gente realmente queria uma reação verdadeira das pessoas que entrassem no estabelecimento, por isso o fato de eu não comentar que era uma gravação”, explicou.

Ela ainda revelou que colheu bons frutos do negócio. “Veio a proposta de ficar sócia do restaurante. Cuido da área de marketing e agora o restaurante é meu investimento. Ele se chama Fast MaCris”, em referência a seu nome, Maria Odete, e da sócia, Cristina. 

Os homens dormem com a Gretchen e acordam com a Maria''

Gretchen enlouquece a plateia na Squat Party, em São Paulo: para sustentar seus filhos, ela diz que até se prostituiria
Claudio Augusto
Gretchen enlouquece a plateia na Squat Party, em São Paulo: para sustentar seus filhos, ela diz que até se prostituiria

Sempre tive e tenho muita coragem pra fazer qualquer coisa da minha vida. Mas isso não", sobre fazer filme pornô de novo

 Com 36 anos de carreira, Gretchen disse não se arrepender de nada no passado. Só não faria filmes pornôs novamente. E de jeito nenhum!: “Sempre tive e tenho muita coragem pra fazer qualquer coisa da minha vida. Mas isso não”.

Ao subir no palco em Sâo Paulo,  ela relembrou os sucessos "Freak Le Boom Boom" (1979), "Conga Conga Conga" (1981) e "Melô do Piripipi" ("Je Suis La Femme" - 1982) e levou a platéia a loucura com seu rebolado comedido, mas não menos “rebolado”. Ainda presenteou os fãs com uma versão de "The Lazy Song", do astro americano Bruno Mars . “Gravei nos Estados Unidos em inglês. Essa é a primeira e única apresentação. É um presente por tudo o que vocês são na minha vida”, disse ela para a animada plateia.

Confira o bate-papo:

iG: Você não quis fazer a foto do bumbum que é sua marca registrada.Não quer mais ser associada a mulher sensual, sexy, que sempre foi?
Gretchen:
A sensualidade não está em ser vista sexy ou se fazer sensual. A sensualidade está em mim. É no meio jeito de falar, mexer no cabelo, andar, no jeito de ser. É o modo como você se comporta, a sensualidade está dentro de você. Ou você é ou não é. Já ser lembrada pelo meu bumbum, estou até hoje na mídia foi por causa desse nome. Isso não vai mudar nunca. O brasileiro gosta de bumbum e eu com 52 anos posso dizer que ainda tenho um que seja satisfatório para o Brasil.

Gretchen se prepara para subir ao palco:
Claudio Augusto
Gretchen se prepara para subir ao palco: "Tenho pouquíssimos shows marcados por opção minha,
iG: Como você cuida dele?Já passou por intervenção cirúrgica no bumbum?
Gretchen:
O bumbum é natural e faço principalmente o pilates que deixa ele durinho e tonificado.

iG: Foi uma fuga ter ido embora do Brasil para cuidar da sua vida pessoal?
Gretchen:
Fuga não. Fui para viver uma vida pra mim. Tenho horário marcado para ir a academia, ir numa reunião de escola, estar presente quando meus filhos vão dormir. Não quero esperar chegar aos 60 anos para dizer que eu passei a minha vida e não vivi. Estou jovem ainda, com saúde, podendo fazer coisas que nunca fiz. Depois dos 50 anos, chega um momento da vida que ou você decide viver bem, escolher uma boa qualidade de vida para você ou você irá ter uma velhice muito difícil. E eu escolhi viver bem. Os 36 anos que eu tive de carreira eu dediquei a minha juventude inteira para esse trabalho.

“Antes eu era mãe por telefone agora posso ser mãe de verdade. Tenho um bebê de um ano e meio e troco fralda, dou mamadeira, faço dormir, dou banho"

iG: E o que seriam essas coisas?
Gretchen: Chegou o meu momento de poder num sábado à noite ir pra casa da vizinha fazer churrasco, conversar até as dez horas da noite, dormir cedo, acordar cedo, passear nos parques de mãos dadas com meus filhos, coisas que eu nunca fiz.

iG: Você não está renegando sua carreira?
Gretchen:
De jeito nenhum. Mas só que hoje, quero me dar esse momento. É um presente pra mim, uma coisa minha.

Gretchen e a filha mais velha, Tammy:
Claudio Augusto
Gretchen e a filha mais velha, Tammy: "Estou conseguindo viver um momento único na minha vida, me dedicar completamente pros meus filhos"
iG: Mas você está fazendo shows pelos Estados Unidos. Almeja uma carreira internacional?
Gretchen:
Não. Eu tenho feito alguns shows porque tenho que ter respeito pelo povo brasileiro que vive lá e que quando ficou sabendo que eu estava lá enlouqueceu e pediu realmente que eu fizesse, então, porque se eu quisesse estaria trabalhando com isso, mas eu não quero.

iG: Você cansou de ser famosa?
Gretchen:
Não é isso. É que eu não estava conseguindo mais ter uma vida normal. Mas eu pensei que quando eu chegasse lá fora fosse conseguir. Nem lá eu tenho conseguido. Se eu ando nos shoppings as pessoas continuam me reconhecendo, hoje eu percebo que inclusive na parte da América Central, os hispânicos me conhecem, e americanos também.

iG: Como está sendo morar nos Estados Unidos? O que mudou na sua rotina daqui e de lá?
Gretchen:
Meus filhos estão gostando muito e tudo é novidade. Estão vivendo uma nova cultura, uma nova rotina, e eu também. Lá é tudo diferente. Tenho horário para ir a academia e na clínica de estética, para o meu office, durmo cedo. Estou fazendo curso de inglês. Moro em um condomínio, minha casa é bem menor que a do Brasil porque lá não temos empregados, fazemos tudo. Meus filhos estão dividindo essa experiência de não ter empregados como babás, arrumadeira, motorista, caseiro, jardineiro. Está sendo muito legal. Levantamos cedo, dou café pra eles aí um passa aspirador, outro passa o pano, outro tira o pó.

“Estou conhecendo uma pessoa. Conversamos pela internet, mas não temos um contato verdadeiro"

  iG: É uma mudança radical abandonar a mordomia para viver uma vida simples. Como está sendo isso?
Gretchen : Meus filhos preferiram trocar a mordomia pela minha presença. Para eles isso é mais importante. Meu filho mais velho falou que quando eu pisasse no avião, antes de embarcar, eu não seria mais a Gretchen, seria a Maria Odete, mãe deles. A partir daí é o que eu tenho vivido pra eles. Eles estão curtindo isso. No Brasil, as pessoas não respeitavam a presença deles quando estávamos juntos.

iG: Então você está vivenciando a maternidade somente agora?
Gretchen:
Sim. Antes eu era mãe por telefone agora posso ser mãe de verdade. Tenho um bebê de um ano e meio ( Valentina Yasmin , única adotada dos seis filhos) que troco fralda, dou mamadeira, faço dormir, dou banho. Era tudo que eu sempre quis poder ver um bebê meu crescer porque nunca tive essa oportunidade de ver andar, começar a falar. Semana retrasada ela me chamou de mãe. Estou conseguindo viver um momento único na minha vida, me dedicar completamente pros meus filhos.

iG: Você não tem Green Card (visto de permanência) para morar no Estados Unidos. Se casaria com um americano para conseguir um? Pretende ficar por quanto tempo lá?
Gretchen:
Jamais me casaria com um homem por causa de um documento. Sou artista e posso conseguir o meu Green Card pelo nome que eu tenho aqui no Brasil, por todos os anos de trabalho. Poderia entrar com um pedido. Mas, por enquanto, meu objetivo não é me fixar lá. Só estou lá. Eu ainda tenho um tempo de visto para poder estudar, conhecer melhor, me adaptar com tudo o que está acontecendo e, quem sabe, futuramente... ou não. A gente nunca sabe, né?

iG: Está solteira?
Gretchen:
Estou conhecendo uma pessoa. Ele é cantor de forró e mora no Brasil. Por enquanto não temos nada. Nos conhecemos em João Pessoa (PB), quando eu morava lá e éramos amigos. Conversamos pela internet, mas não temos um contato verdadeiro.

i

O bumbum é natural e faço principalmente o pilates que deixa ele durinho e tonificado
Claudio Augusto
O bumbum é natural e faço principalmente o pilates que deixa ele durinho e tonificado
G: E os americanos, não terão uma oportunidade?
Gretchen:
Estou conhecendo pessoas e na academia que eu frequento, que é a mais famosa de Orlando, a Gold's Gym, a todo momento, os homens de lá vêem uma mulher brasileira diferente do que eles estão acostumados. Acabo sendo motivo de questionamento: quem é ela, que corpo maravilhoso, uma mulher de cinquenta e poucos anos com esse corpo! Para eles isso não é comum. Pode até acontecer de eu conhecer alguém e me casar.

iG: Depois de 14 casamentos, seis no papel, você arriscaria um novo casamento então?
Gretchen:
É lógico, com certeza. Não tenho nenhuma vontade de viver sozinha. Pelo contrário, eu quero um marido, um pai pros meus filhos, estar com alguém. Não sou feminista, sou extremamente feminina e gosto de ter um homem do meu lado.

iG: Você consegue olhar para trás e ver qual foi o motivo de seus relacionamentos não terem dado certo?
Gretchen:
Eu estava no avião vendo o filme "Notting Hill" (1999) e eu me identifiquei muito com esse filme. Tem um momento que a Julia Roberts fala uma frase dita pela Rita Hayworth , em "Gilda", em que as pessoas dormem com a artista e acordam com o ser humano. É mais ou menos isso. Os homens dormem com a Gretchen e acordam com a Maria e a Maria quer fazer comida, cuidar dos filhos, ter uma vida normal e pra eles isso acabava o encanto.

iG: É mais provável que você se case com um estrangeiro?
Gretchen:
Lá (nos EUA), se eu for casar, a pessoa vai casar com a Maria porque o meu nome lá é Maria Miranda. Eu não sou a Gretchen e ninguem sabe quem é ela.

Nunca me arrependi de nada do que fiz e faço
Divulgação
Nunca me arrependi de nada do que fiz e faço
iG: Você já declarou que se prostituiria para sustentar seus filhos. O que mais faria?
Gretchen:
Com certeza. Mas tem tantas coisas que eu sei fazer. Poderia ser até garçonete (risos).

iG: E voltar a fazer filmes pornôs? Agora você vive em um país que é considerado a maior indústria pornográfica do mundo.
Gretchen:
De jeito nenhum. Em hipótese nenhuma. Isso eu já declarei mil vezes desde quando eu fiz. Isso está descartado na minha vida. Por dinheiro nenhum.

iG: Mas você se arrepende disso ou de alguma coisa que tenha feito?
Gretchen:
Nunca me arrependi de nada do que fiz e faço. Tudo é uma experiência: se foi bom, você aproveita, se foi ruim, você descarta.

iG: Quem foi a Gretchen?
Gretchen:
A Gretchen foi um ídolo no Brasil e hoje eu tenho certeza que é um ícone. E vai ser pra sempre. A Gretchen jamais vai ser esquecida. Estou a oito mil quilômetros e as pessoas me reconhecem. Eu acho que a partir do momento que você faz um nome e que ele fica gravado na história da música como está o meu, é para sempre.


iG: Já da para sentir falta do Brasil?
Gretchen:
Tem muito pouco tempo que estou lá mas até que sinto falta da praia, principalmente, do povo pernambucano, mas lá tem muito nordestino, graças a Deus, pelo menos estou podendo ouvir o sotaque que é uma coisa que me faz muita falta.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.