Em entrevista exclusiva ao iG Gente, apresentadora fala sobre o primeiro dia das mães, casamento e como gostaria de criar Vittorio

Amores interrompidos, relacionamentos que prometiam mas que não vingaram, inúmeros compromissos profissionais. Muitas foram as razões que atrasaram o sonho de ser mãe da apresentadora Adriane Galisteu . Mas ela não desistiu. E além de tudo isso, faltava o principal ingrediente: o “homem de sua vida”. E ele apareceu: o empresário Alexandre Iódice . “Eu pensei que teria que adotar porque não iria achar uma pessoa para casar e construir uma família. Já estava conformada que nunca passaria pela maternidade”, contou a mãe de Vittorio, de oito meses.

Adriane Galisteu:
Leo Ramos
Adriane Galisteu: "Já estava conformada que nunca passaria pela maternidade"

Adriane diz que sua vida está dividida em duas partes: antes e depois de Vittorio. A rotina da apresentadora mudou radicalmente, a ponto de fazê-la acordar feliz às 8h. “Antes, levantar da cama a essa hora era algo impensável para mim”, brinca. Os compromissos profissionais não foram deixados de lado, mas agora têm de respeitar o momento entre mãe e filho. “Quem manda é ele (risos)”.

No domingo (8), Adriane vai comemorar o primeiro Dia das Mães junto ao filho. “Estou contando os minutos. Quero que seja um dia especial. Vou trazer a família toda para o Rio e vamos fazer um almoço em casa”, conta ela, que mora em São Paulo.

Exposição

Como a mãe é uma pessoa pública, é normal que Vittorio já seja famoso aos oito meses de vida. Ao contrário de muitas artistas, porém, Adriane não tem problema em deixar ser fotografada com o filho. “Podem achar errado porque eu e o Alê estamos fazendo coisas sem a autorização dele. Mas é meu filho e minha vida é essa. Quando ele tiver condições de opinar, fará o que quiser e eu vou respeitar”.

Questionada se a violência não é uma preocupação, Adriane se classifica como uma pessoa “sem paranoias”. “O que fazer? Mudar de país? Todo lugar tem isso. Infelizmente vivemos em um mundo caótico. Não sei se é possível mudar essa situação”, desabafa ela, que quer criar o filho de maneira livre. “Tudo bem que esse seria o mundo dos sonhos. Mas adoraria que ele pudesse viver uma vida tratando todo mundo igual e sem rótulos”.

Adriane Galisteu está em cartaz com a peça
Leo Ramos
Adriane Galisteu está em cartaz com a peça "Mulheres Alteradas" no Rio
Workaholic

A ideia de aumentar a família não é descartada por Adriane. Mas ela sabe que, para isso, teria que ficar mais um ano afastada da TV. “É difícil para mim. Amo o que faço e me sinto privilegiada em poder ganhar dinheiro fazendo o que gosto. Adoro até o ônus do meu trabalho. Tem gente que acha dar entrevista um saco, odeia tirar fotos, dar autógrafo é incômodo... Para mim nada disso é sofrido. Eu nasci para isso”, afirma ela, que vai comandar o programa “Project Runway”, na Band, ainda sem data para estrear.

Trabalho é tão sério para a apresentadora que o primeiro casamento dela, com o empresário Roberto Justus , acabou porque ele queria que ela desacelerasse da maratona de compromissos profissionais. “Trabalho é trabalho e amor é amor. Não tem a menor chance de eu ser aquela mulher que fica em casa, só cuidando do marido. Eu seria muito infeliz”.

Juntos há três anos e casados oficialmente há cinco meses, Adriane afirma que o marido Alexandre Iódice entende bem desse ponto. “Eu demorei a achar um cara que me completasse e me fizesse feliz. Além de tudo isso, ele é um pai incrível, que divide tudo comigo. Só me deixa mais apaixonada”. Sobre sua vida sexual, ela não deixa dúvidas: “Está muito bem, obrigada, sexo tem a ver com a sintonia do casal, com a vontade de estar junto, paixão, tesão”, diz.

Adriane Galisteu:
Leo Ramos
Adriane Galisteu: "Não tem a menor chance de eu ser aquela mulher que fica em casa, só cuidando do marido. Eu seria muito infeliz"
Alterada com o corpo

Em cartaz com a peça “Mulheres Alteradas”, no Teatro Clara Nunes, no Shopping da Gávea, na Zona Sul do Rio, Adriane conta que uma das únicas coisas que a tiram do sério é a preocupação com o corpo. “Para mim, sempre estou acima do peso. É muito difícil eu falar que estou ótima. Engordei 16 kg durante a gravidez, já perdi bastante. Mas ainda faltam quatro quilos!”

A ideia de cirurgia plástica não é descartada pela apresentadora, mas só seria feita como último recurso. “Eu estou com 38 anos e estou na hora de começar a ver o que preciso ajeitar. Não quero ter que tomar uma atitude radical. Mas enquanto estou bem na luz acesa, estou feliz. Quando tiver que começar a ficar a meia luz, a casa vai cair (risos)”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.