Poeta mineiro deixou a casa do reality show depois de perder a disputa no paredão para Cézar com 65% dos votos do público

Adrilles  nadou, nadou, nadou, mas  morreu na praia. A sete dias da grande final do " Big Brother Brasil 15 ", o mineiro deixou a casa na noite de terça-feira (31) com 65% dos votos, deixando para Cézar um lugar no pódio do reality show da Globo.

O poeta, como chamado na atração, chegou tímido para a coletiva de imprensa logo após batida a porta da casa, e tratou de explicar sua decisão na última votação, quando escolheu Cézar para indicado no lugar de Fernando. Pelas enquetes, a chance de o mineiro, emparedado pela Líder Amanda, ficar na casa indo contra o carioca era muito maior do que foi com Cézar. Fato, hoje, comprovado, mas sem arrependimento - até então.

"Eu realmente sempre tive desconfianças em relação a ambigüidade sentimental do Fernando. Um rapaz que diz eu te amo e que fala que quer casar com uma menina e depois se apaixona por outra pode até acontecer num clima utópico, mas eu não posso desconfiar essencialmente da intenção do sujeito", disse Adrilles.

Ele também justificou o voto em Cézar. Segundo o poeta, a identificação com Amanda pesou mais do que uma amizade com Fernando. "Agora, a minha identificação maior não foi com o Fernando, ao contrário do que vocês pensam, e sim com a Amanda. Eu acredito até agora que a entrega dela passional para uma paixão utópica, como eu tive no programa, fez com que eu me identificasse muito com ela. Pensei em votar no Fernando e esbocei essa ideia lá dentro. Mas a minha identificação por último foi com a Amanda. Ela foi capaz de perdoar um cara que queria eventualmente expulsá-la do programa. A partir do momento que ela se entrega a uma paixão desesperada por um cara ambíguo, que não mostra de maneira muito direta o que sente, mas que se envolve com ela, isso fez eu me identificar com ela", afirma Adrilles.

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba notícias dos famosos

Confira abaixo mais declarações importantes (e hilárias) do poeta:

O mundo x Fernando
"Meu melhor amigo lá foi o Marco, que saiu no começo do programa. E o Fernando ficou próximo. Na minha frente ele era um cavalheiro. A gente trocava ideias, construímos uma relação. Não posso afirmar sobre coisas que não vi, e não posso me perder numa desconfiança plena que eu não pude ver ao vivo. Mariza tentou me alertar, mas ela não via também. Até então, era uma desconfiança. Prefiro pecar por certa ingenuidade e crença no ser humano, do que pecar pela desconfiança latente de que as pessoas têm caráter frouxo. Não posso fazer fazer julgamentos prévios sobre algo que eu não vi. Talvez seja um vício da poesia acreditar no ser humano ainda que ele se prove decepcionante no final".

Está decepcionado com seu plano falho para ganhar o prêmio final?
"Não existe uma rota precisa para ganhar R$ 1,5 milhão dentro de um jogo de convivência. Um jogo em que você faz amigos sinceros, constrói elos de afetividade concretos, absolutos, quer seja por um namoro, uma amizade, uma afinidade... Isso é um jogo no sentido de mostrar sua afetividade, sua interação com as pessoas, sua entrega, capacidade de perdão e de doação, e poderia afetar positivamente o público, entendeu? Uma coisa não exclui a outra. Esse é o jogo que eu fiz. É um jogo de complacência, de perdão, eu tentei fazer isso. Eu sou utópico por natureza. Agora, se no caminho dessa utopia eu fui enganado, sinto muito. Lógico que do ponto de vista estratégico, eu errei. Agora, do ponto de vista de uma ideologia, de achar que pessoas podem sim se mostrar benévolas e generosas até num jogo de competição, eu segui. A vida é um jogo".

Adrilles recebeua imunidade de Tamires durante o BBB 15
Reprodução/TV Globo
Adrilles recebeua imunidade de Tamires durante o BBB 15

Ah, Tamires...
"Tamires foi uma paixão utópica, insana que eu tive lá. Continuo encantado por ela, mas não perco a dimensão quando estou apaixonado, de que a realidade dos fatos é concreta. A Tamires é uma pessoa completamente diferente de mim. Poderia até ficar um dia, mas eu estou fora do escopo do gosto pessoal dela e sei disso. O único problema que tive com a Tamires foi quando ela proibiu a minha expressão de afeto. Eu sou um ser verbal, preciso falar, preciso me expressar. E não podendo ler nem escrever, eu preciso me expressar desesperadamente. Não que eu quisesse algo dela ou influenciasse no sentido de querer algo comigo. De forma alguma, ela tem total liberdade e sempre deixei isso claro. Não era culpa dela se eu sofresse por ela. Nunca seria e nunca será culpa dela. Agora, o direito de me apaixonar e até de sofrer por alguém, aí eu me restrinjo a esse direito. E quando alguém me proíbe de expressar esse sentimento ou sofrer isso, soa censura. Foi por isso que entrei em parafuso e fiquei meio chato, para ser bem sincero".

Fama de stalker (uma ex paquera até colocou a boca no trombone durante o período de confinamento de Adrilles, e disse que seu casamento foi cancelado após Adrilles mandar uma carta anônima para o noivo):
"Já sei quem é a pessoa que falou isso. Eu nunca mandei carta anônima para ninguém na vida. Isso é falso, absurdo, leviano. Essa mulher que você está falando, ela nunca disse 'se afaste de mim'. Tenho maior respeito e carinho por ela, estudei e trabalhei com ela, e nunca stalkeei (persegui). Realmente eu tive uma paixonite, mas nunca cobrei nada nesse sentido. Ela ia se casar com alguém, acabou se casando com outra pessoa. Se vocês quiserem pesquisem a história, eu não vou dar detalhes. Não tenho nada a ver com isso, nunca mandei carta anônima para ninguém",

O que te deixou mais tenso nesses mais de 70 dias de confinamento?
"A possibilidade de liberdade de contato humano. Eu preciso de gente e não só as pessoas com as quais eu me restrinjo. Eu preciso descobrir outras coisas. A possibilidade de descanso, de me retirar, me reservar quando quisesse. Claro, o tolimento da possibilidade de escrever foi terrível. Acho que, resumindo, foi a possibilidade de contato humano no caráter mais amplo. Abstinência sexual, afetiva, amorosa é lógico que todo mundo tem".

Mariza foi uma das parceiras de jogo e amiga de Adrilles no BBB 15
Reprodução/TV Globo
Mariza foi uma das parceiras de jogo e amiga de Adrilles no BBB 15

Qual foi o período mais difícil?
"As saídas do Marco, Mariza e Tamires foram as piores coisas e pesaram muito para mim. E eu tenho uma dificuldade enorme de chorar, porque penso o tempo inteiro. Ah, e tem uma coisa meio terrível que eu tenho que confessar: a possibilidade da Tamires ficar com Cézar me deixou desesperado (risos). Acho que foi pior que a saída de qualquer um. É lógico que a Tamires tem uma liberdade ampla, eu nunca vou ter nada com ela. Mas ela naquele dia (dia da festa em que Tamires e Cézar quase ficaram e Adrilles 'salvou' a amada) estava meio alcoolizada, fora de si mesma. Seria mentiroso da minha parte dizer que fiz isso só por generosidade. Lógico que fiz por ciúme, inveja, do que outra coisa. O Cézar é um grande cara, tem direito de ficar com a Tamires, com quem ele quiser".

Quem vai ganhar?
"Lógico que é o Cézar. Eu realmente não torcia pelo Fernando. A Amanda tinha minha simpatia por essa entrega absoluta. Não sei o que foi que aconteceu, tudo que tão dizendo que ela disse e fez. A minha torcida seria para ela, mas preciso rever isso. Eu acho que o Cézar, presta atenção, tem uma belíssima história, mas lá dentro - eu repito isso - ele não foi apartado do grupo, ele se apartou. Ele tem caráter, tem dignidade, tenho o maior respeito e carinho por ele. Ele fez uma acusação leviana a meu respeito, que eu estaria usando a Tamires de trampolim no programa. Um pouco da minha mágoa com ele é por isso. Foi a única coisa que me magoou. Mas ele tem uma história sensacional de luta, de superação, tem carisma excelente. Enfim, eu acho que ele vai ganhar. Torceria pra Amanda, mas tenho que rever a situação".

Por que o Cézar?
"A coisa mítica da televisão está muito presente na história dele. Aquele cara sofrido, que venceu pelos próprios esforços, ele fala que sempre morreu na praia. O público se identifica com isso, até eu de certa forma me identifico também. Mas também tenho críticas ao Cézar. Ele é muito personagem de si mesmo. A maneira demagógica dele se expressar, como se fosse um político dos anos 40, é muito engraçada nos primeiro cinco minutos, depois cansa um pouco. Agora, eu acho que ele usa isso como elemento de esperteza, mas é tão caricata que se torna ingenuidade infantil. Isso não afetou no caráter dele de maneira geral. Ele teve pequenas derrapagens, assim como eu, e isso não afeta o caráter da pessoa como um todo".

"Ser um homem feminino..."
"Eu sou esquisito. Falei na entrevista da cadeira elétrica. Fui criado por avó e tias, sempre num ambiente feminino, fui um pouco mimado, e tenho um jeito estranho. A minha voz é fina, não tenho culpa nisso. Não sei em que medidas essas idiossincrasias minhas são afetadas pelo ambiente que eu cresci. Mas eu sofro por mulheres. Talvez se eu fosse gay pudesse ser mais feliz, porque acho que os gays são mais contentes na interação deles. Acho que tenho que aprender com os homossexuais a encontrar nas pessoas erradas às vezes a pessoa certa. É isso que eu faço".

O que quer do futuro agora com BBB no currículo?
"Entrei no BBB sabendo que esse viés mais erudito e sofisticado pudesse contribuir para uma ideia minha que sempre tive de unir o erudito e o popular, a alta cultura e a cultura pop. Essa mescla faz a cultura avançar cada vez mais, faz as pessoas terem mais noção do que é a arte no sentido maior do termo. Eu fiz isso de maneira intencional. Acho que até o Bial tem essa noção de maneira muito clara. Como isso vai se dar, eu não sei. Por enquanto, eu vou continuar com minha produção de obra poética. Eu estou desempregado. Estava vivendo de bico, explorando sordidamente a minha mãe nos últimos meses. Se a produção do BBB me chamar, eu até entendo do assunto e posso dar boas idéias. Eu não sei qual nível de reserva o Bial tem. Eu não tenho nada, sou um sujeito dado (risos). Se ele quiser se aproximar de mim, me dar seu telefone, eu ligo para ele de 15 em 15 dias também (risos).."

E você disse que quer fazer ensaio sensual...
"Eu quero posar para o Paparazzo! É preconceito! Eu tenho músculos! A caricatura que fizeram de mim é magrinha, mas eu tenho músculos! A minha cara parece um quadro cubista de Picasso, mas pode colocar um papel de parede na minha cara! Outra coisa que quero reclamar: não tinha uma representante do universo plus size no BBB. Todas eram magras. Tem que botar umas mulheres mais corpulentas".

Esse tipo que te atrai?
"Eu me apaixono pelos mais diversos tipos de mulher. Acho que mulher e paixão são duas coisas que mais me movem. Mas eu não stalkeio ninguém, não fala isso, não!
Nunca stalkeei ninguém. Já andei cortejando, mas nunca persegui ninguém".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.