Dedicada ao teatro atualmente, a atriz e apresentadora diz gostar de assistir apenas a séries: "Sou fanática"

Há dois meses, Marília Gabriela está completamente dedicada ao espetáculo "Vanya e Sonia e Masha e Spike", uma comédia dirigida por Jorge Takla e que estreia no Teatro Faap, em São Paulo, no dia 6 de março.

Assim que recebeu o convite, a apresentadora fez questão de conferir a montagem americana, que inspirou Takla a comprar os direitos e trazê-la para o Brasil.
Empolgada com o novo trabalho, Marília afirma que tem vivido uma outra vida.

"Das quatro peças que fiz, nunca foi como esse trabalho de conjunto, que é o que essa peça tem. Você depende do trabalho do outro, da atuação do outro, do que ele está dizendo, tem que ser uma equipe, um conjunto afinadíssimo para dar certo. Estou adorando. É como se eu estivesse saindo de casa para viver outra vida, e é outra vida", declarou Marília, que deixou o SBT para se dedicar a esse e outros novos projetos.

A apresentadora relembrou que sua saída da emissora foi muito boa e destacou que pode haver um retorno. "Adoro o SBT. Trabalho lá intermitentemente. Saí de portas abertas, foram muito gentis comigo. A gente tem um acerto que, se daqui um tempo eu quiser voltar, está tudo ok. Saí mesmo por uma necessidade pessoal de me dedicar a outro tipo de atividade", explicou a atriz, que tem dois livros ja contratados que estão para ser escritos.

"E isso vai tomar tempo e dedicação. Continuo no GNT e queria fazer essa peça da melhor maneira possível. Só queria mudar o foco na minha vida. Período de transição. Sei lá quanto tempo mais eu tenho de vida útil, mas tenho vontade de fazer as coisas. E não vou poder, por que?", questionou a apresentadora.

Mesmo fora do SBT, Marília deixou alguns programas gravados, como por exemplo o com a cantora Sandra de Sá, exibido na ultima semana e que gerou bastante repercussão por ela ter assumido sua homossexualidade.

A apresentadora admite que não chegou a assistir quando foi ao ar. "Não me lembro mais dele. Gravei há muito tempo. Vi que repercutiu. Sandra de Sá não é surpresa. Ela é uma mulher inteligente, sempre foi e muito disponível. Está lá o programa, mas eu faço e não vejo. Não só o meu como o seu", afirmou em conversa com um repórter da RedeTV!. "Não tenho tempo nem vontade de ver televisão normalmente. Sou fã, fanática mesmo, de séries. Quando posso, eu acompanho séries".

Falta da TV aberta

Adriane Galisteu , por exemplo, é uma apresentadora que não nega sua vontade de voltar para a TV aberta e diz sentir muita falta disso. Questionada se isso pode acontecer com ela, Marília mostra não temer isso no futuro.

"Comecei a fazer TV aberta em 1969, acho que a Galisteu não era nem nascida. Adoro ela, aliás. Faço televisão há muito tempo. Talvez eu sinta falta, talvez não. Toda vez que eu disse em alguma situação que queria parar de trabalhar, todo mundo dizia para mim: 'imagina, você não vai aguentar'. Mas eu nunca testei, nunca tentei. E parar de trabalhar, para mim, foi em termos. Estou trabalhando em outras coisas de meu interesse, estou me dedicando a outras coisas e de uma forma que eu possa ter a oportunidade de, por exemplo, escrever um livro e ficar uns quatro meses fora do Brasil, em um lugar quieto para me dedicar. Quando você tem um contrato com uma TV do porte do SBT ou qualquer outra televisão, isso é complicado."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.