Na estreia para convidados, apresentadora relembrou início da carreira e se reencontrou com amigos como Russo

Foi memorável a estreia para convidados do musical sobre a vida de Abelardo Barbosa, o Chacrinha, no Rio. O evento aconteceu na noite de quarta-feira (19), no Teatro João Caetano, e reuniu uma plateia mais do que estrelada e que participou ativamente do espetáculo. Xuxa , Russo e Elke Maravilha foram alguns dos nomes especiais que trabalharam com Chacrinha e que deixaram sua marca na apresentação VIP.

Xuxa, por exemplo, surgiu pela primeira vez sem bota ortopédica (depois de quase um ano com o pé imobilizado) e encarnou aquela Rainha dos Baixinhos que a gente conhece de outras épocas. De rabo de cavalo, casaco branco de botão e bota de cano alto, ela cantou (mesmo, sem playback) "Ilariê" na companhia de quatro paquitas. "Vamos lá, galera, todo mundo de pé, comigo!", falou para a plateia. A participação especial aconteceu no segundo ato, quase no final do musical.

Antes, Xuxa chegou três minutos após o início da peça e se sentou, na companhia de três seguranças, sua assessora, sua empresário e o maquiador Ton Reis no balcão nobre do teatro, no segundo andar. De lá, ela acompanhou o primeiro ato e terminou boquiaberta com a performance de Stepan Nercessian , que vive o Chacrinha na fase adulta (e realmente dá um show no palco). Durante os 15 minutos de intervalo, ela tirou fotos com poucos fãs e aproveitou para falar com amigos. Um deles em especial roubou sua atenção. Era Russo, que estava sentado na segunda fileira na plateia.

Assim que avistou o colega de palco, Xuxa assobiou bem alto e gritou sem nome. O encontro foi emocionante. Russo subiu até o balcão para falar com sua Rainha e a abraçou com saudade. "Se cuida, tá? Você está com 83 anos, gente! Eu te gosto muito", disse para ele. No palco, além de Xuxa, Elke Maravilha e Russo também foram homenageados. Nada mais justo, em se tratando dos braços direito e esquerdo de Chacrinha.

Na entrada do teatro, Elke comentou com os jornalistas que estava ansiosa para ver o projeto nascer no palco. "Eu gostei muito da escolha do Necessian para viver o velho guerreiro. Chacrinha era gênio, e gênio não se explica. Ele era gênio dentro e fora do palco. E ele tinha uma coisa que não temos mais na TV: brasilidade. Agora é tudo cópia dos Estados Unidos", disse.

A direção do espetáculo é de Andrucha Waddington e o texto de Pedro Bial (que estava na companhia da namorada, a jornalista Maria Prata ) e Rodrigo Nogueira . “Eu sempre fui muito fã do Chacrinha como espectador e depois como estudante. Fui muitas vezes ao programa dele. No início dos anos 2000, o irmão do Chacrinha, Jarbas Barbosa , que ainda era vivo, me chamou para fazer um documentário. Ele queria que eu dirigisse. Então, eu fiz toda pesquisa, o que aumentou não só minha paixão por ele, mas também minha compreensão sobre tudo que ele fez. O documentário não saiu e eu estava com a lição de casa feita”, relembrou Bial.

A visita que revelou ter feito aos estúdios do programa do Chacrinha como estudante não foi para participar de nenhum concurso, ele deixou claro. “Só fiquei assistindo e olhando as chacretes com muito interesse. No espetáculo, é claro (risos)”, brincou o apresentador do “Big Brother Brasil”.

Uma vida em dois atos e muitas cores

A vida do “Velho Guerreiro” foi dividida em dois atos no espetáculo. No primeiro, o pano de fundo é sua origem em Pernambuco e quem dita a moda é a literatura de cordel. Painéis de LED ajudam na composição dos ambientes. Já no segundo, o Cassino do Chacrinha toma o palco por completo junto com um time de peso de chacretes. O destaque vai para o elenco afinadíssimo e para a obra de Gringo Cardia , responsável pela direção de arte.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.