William Bonner rebate críticas recebidas nas redes sociais


A página de William Bonner no Instagram
Reprodução
A página de William Bonner no Instagram

Desde que começaram as entrevistas com os candidatos à presidência do Brasil no "Jornal Nacional", William Bonner tem recebido inúmeras críticas e xingamentos nas redes sociais. Nesta quinta-feira, por meio do Instagram, ele falou a respeito de sua postura durante os encontros com os presidenciáveis. Bonner acredita que as pessoas estão extremamente intolerantes.

“Vejo com espanto como as paixões eleitorais momentâneas podem alimentar a intolerância de um tipo de eleitor que se considera suficientemente informado sobre os candidatos – e que nega às outras pessoas o direito de se informar. É aquele que não quer saber mais nada. Não quer ouvir explicação sobre nenhuma questão polêmica. E é um direito dele. O problema é quando não quer que ninguém mais tome conhecimento daquelas questões. E, por isso, insulta quem pensa de forma diferente, insulta quem cobra aquelas explicações de candidatos a cargos públicos. Isso se chama obscurantismo."

O apresentador do Jornal Nacional garante que não vai deixar de tocar nas feridas dos políticos. “Em todas as entrevistas, fiz e farei as perguntas que os candidatos prefeririam não ter que ouvir. Assuntos que lhes são desconfortáveis, incômodos. Assuntos que eles não abordam na propaganda eleitoral, obviamente. São assuntos de interesse jornalístico, são assuntos que o eleitor deve conhecer."

Com relação aos xingamentos, ele diz que não é o único afetado, mas também os eleitores que querem saber mais detalhes sobre os candidatos. “Insultam não só a mim, como entrevistador, mas a todos os demais eleitores que desejam ser informados sobre as questões polêmicas de todos os candidatos, sejam quem forem. Essa intolerância eu faço questão de deixar registrada nos comentários. Alguma utilidade terá pra quem quiser analisar os freqüentadores desse ambiente encantador e agressivo, enriquecedor e mesquinho, democrático e sectário que é a internet."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.