Apresentadora do "Amaury Jr. Show" relembra de sua época na emissora jovem e conta o motivo de ter negado convite de "A Fazenda": "Não quero ficar na TV falando bobagem"


Tinha gente que saia de lá porque recebia um salário ridículo, sendo que tinha Adnet recebendo absurdos, o que contribuiu com o fim da MTV"

Ela não tem nenhuma tatuagem, não gosta de baladas, nunca fumou, só foi beber aos 20 e poucos anos (e não tomou gosto pela coisa), é vegetariana e assumidamente nerd. Esse perfil, para lá de discreto, pode não parecer, mas é o da precursora da fama proveniente da internet.

Com seu cabelo colorido, sua marca registrada, MariMoon foi descoberta após fazer sucesso com seu Fotolog no início dos anos 2000 e, de lá, foi lançada à fama ao se tornar uma das VJs da MTV. "A globalização da internet é muito importante na história da humanidade. As redes sociais mudaram a maneira que as pessoas vivem, interagem, para o bem ou para o mal, como toda arma. Mas acho que a coisa da fama é um desejo que quase todos os seres humanos têm. E a internet é democrática nesse sentido. Você não precisa necessariamente estar na TV para se tornar famoso", define a apresentadora, que atualmente faz parte do casting de repórteres do programa " Amaury Jr. Show" , na RedeTV!.

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba as últimas notícias nos famosos

Neste intervalo entre uma TV e outra, MariMoon teve um ano sabático. “Viajei muito, estudei muito, fiz um curso de roteiro, planejei uns projetos de TV que ofereci inclusive para a MTV nova, transformei essas ideias em livros e ainda mantenho esse projeto, que é um livro infantil e, outro, adolescente”, contou.

A apresentadora brinca que entrou na mala de todos os familiares e amigos que foram viajar neste período. Assim, passou pela China, Índia, Alemanha e Estados Unidos. “Eram viagens que sempre quis fazer e nunca tinha tempo”.

MariMoon
André Giorgi
MariMoon


Amaury Jr.

O convite para a atração veio em uma dessas viagens. Mari estava em Nova York e foi procurada pela produção da atração para uma entrevista com brasileiros que estavam na região. Após a entrevista, foi surpreendida pelo apresentador. “Troquei ideia com ele, contei de todas as coisas que estavam rolando. Ele ficou muito impressionado e terminou a conversa com um: 'você gostaria de trabalhar comigo?'”

Desde o primeiro momento, Marimoon viu ali uma ótima oportunidade, não só de trabalho, como de aprendizado. “O Amaury é uma pessoa superimportante para a televisão brasileira. Um cara inteligente, conectado, tem essa pegada de ‘sou mais velho, não sou dessa geração, mas eu gosto, curto e acho legal’. Ele tem 33 anos de experiência, tenho muita coisa a aprender com ele”, elogiou a apresentadora.

Ela comentou também que, para assumir o posto, não precisou mudar seu estilo, muito mais descolado que o de outras repórteres que já passaram pelo programa. “Ele falou que eu não precisava fazer nada de diferente. Apenas ser eu mesma”.

Essa coisa da fama é um desejo que quase todos os seres humanos têm"

MTV

Um dos motivos para ter aceito o convite de Amaury foi a oportunidade de fazer matérias de arte e cultura, além de entrevistar personalidades que nunca teria a oportunidade de fazer, como com Ivete Sangalo , com quem foi sua matéria de estreia. “Jamais a Ivete daria entrevista para a MTV. Isso nunca aconteceu e provavelmente nunca irá acontecer. Ivete é da Globo e sei lá porque ela abriu exceção para alguns canais no DVD, que é do Multishow, que é da Globo. E rolou. Mas é uma coisa que nunca teria rolado na MTV”, explicou.

Sobre seu antigo canal, Marimoon é só elogios. “A MTV estava muito maravilhosa. Era o melhor canal de televisão que o Brasil teve. Era o único lugar que podia fazer arte, que tinha videoarte, as pessoas não pensavam no Ibope”.

Na verdade, na reta final do canal, essa preocupação ficou frequente na emissora. Mas para Marimoon os dados nunca foram corretos. “Ibope não mede televisão de quarto, não mede parabólica, não mede TV a cabo. Aí eu te pergunto: quem assiste ao canal 32 na sala? Por isso que dava 0,2 pontos. Eu tenho certeza de que dava muito mais”, defende a apresentadora, que usa sua fama como termômetro para sua certeza. “Eu era parada na rua por pessoas de todos os estilos, todo mundo sabe quem eu sou, antes mesmo de entrar no Amaury”.

A apresentadora só faz uma crítica ao canal quando fala sobre a diferença de salários entre os funcionários da época, desmentindo algumas notícias de que seu cachê era um dos mais altos da casa. “Vixe, quem disse? Meu salário estava bem longe de ser o mais alto. Tinha gente que saía de lá porque recebia um salário ridículo, sendo que tinha Adnet recebendo absurdos, o que contribuiu com o fim da MTV. Ele e o Bento (Ribeiro) eram os dois primeiros. Não sei o resto. Mas eu estava bem mais para baixo”.

Dinheiro

Apesar do salário não ser o dos sonhos, MariMoon não se preocupava, pois considera que gostar do que faz é muito mais importante que um alto cachê. “Acho que dinheiro não traz a felicidade. Você acordar todo dia odiando seu trabalho e ganhar R$ 100 mil por mês, não vale a pena. Preciso estar feliz no meu trabalho, orgulhosa do que faço. Se não estou assinando embaixo, é melhor não fazer”, afirmou.

Jamais a Ivete daria entrevista para a MTV. Isso nunca aconteceu e provavelmente nunca irá acontecer"

Foi até por este motivo que a apresentadora negou um convite para participar do reality show “A Fazenda”, da TV Record. Ela confirma que recebeu o convite, mas disse ‘não’ na mesma hora por achar que a atração não tem nada a ver com ela.

“Jamais conseguiria viver naquele universo durante aquele tempo, aquela interação que eles precisam ter. Não consigo muito. Ainda mais em reality show, que você tem que ficar naquele personagem, criando intrigas. Não tem nada a ver comigo. O Amaury, por exemplo, tem a ver. Posso falar de cultura, de arte, passar boas mensagens. Não quero ficar na TV falando bobagem”.

Questionada se o público poderia descobrir um outro lado de Marimoon durante o reality, a apresentadora nega e afirma que sua vida é aberta. “As pessoas sabem bastante sobre mim. Conto das minhas bads. Sou uma pessoa tranquila. Não tenho nenhum grande lance, grande vício, problema. Interajo bem com as pessoas mesmo quando elas são chatas. Eu nem teria graça no programa. O povo gosta de bafão, né? Gosta de mulher que tira roupa, gente que fica se comendo, gente que briga... e eu não ia fazer nada dessas coisas, ia ser muito sem graça de assistir”.

MariMoon
André Giorgi
MariMoon


Agradecimentos:
MG Hair
Cabelo: Claus Pitta
Make: Viviane Felix
Produção: Thiago Setra
Marimoon veste Reinaldo Lourenço; Cavage (bota), Maria Dolores (anel)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.