Apresentador falou sobre o reality show na gravação do programa “Altas Horas”, da Globo, nessa quinta (10)


Pedro Bial foi um dos convidados da gravação do “Altas Horas”, da TV Globo, gravado na noite dessa quinta-feira (10), em São Paulo.

O apresentador, que pretende lançar um livro com os textos que escreve nas eliminações do "BBB", contou um pouco dos bastidores desses momentos. “Nesta edição, teve muito paredão e não tive muito tempo (de escrever os textos). Mas, o paredão de domingo já abre com uma tendência de quem é a bola sete (termo para quem está na berlinda). Depois disso, faço uma apuração jornalística, assisto à trajetória toda do participante no programa e, às vezes, escrevo na véspera antes do paredão, ou no dia do programa. Tem dia que durmo, sonho, acordo com a ideia na cabeça e escrevo”, contou. “Comecei (a fazer esses textos) a partir do sétimo programa. No quinto, já percebi essa coisa do programa ser um fenômeno, que escrevia mais para o público do que para o pessoal de casa. A partir daí, comecei a ficar mais enigmático”.

Pedro Bial no 'Altas Horas'
Divulgação/TV Globo
Pedro Bial no 'Altas Horas'

Bial ainda disse que nunca assiste seus momentos de eliminação. “Eu tenho que ficar concentrado no que estou falando, tenho que ficar ligado no texto, e nunca vejo depois”.

Gafe de Tatiele

O apresentador também comentou a gafe da ex-participante do “BBB14” Tatiele Polyana , que foi ao programa “Domingão do Faustão” e disse que, se nada desse certo após o programa, viraria bailaria na atração dominical, deixando Fausto Silva nervoso . “Ela escorregou um pouquinho, não teve consideração de perceber onde estava, o que ela estava falando e para quem. Mas ela errou, reconheceu o erro e deu a volta por cima”.

Experiência acumulada

Questionado por uma pessoa da plateia como foi deixar o jornalismo para fazer entretenimento, Pedro disse que nunca abandonou nada. “Eu comecei em 2002 [no ‘BBB’], mas continuei apresentando o ‘Fantástico’ e fazendo algumas matérias até 2008, quando fiz a minha última cobertura internacional, que foi a eleição do Obama. Não foi de uma hora para outra, foi aos poucos. E agora tem entretenimento no começo do ano e o ‘Na Moral’, que não é o jornalismo clássico, mas tem que ter experiência jornalística para fazer. Eu só acumulei camadas, não deixei uma coisa por outra”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.