Paula Evangelista foi destronada na Mocidade Independente pela atriz Mariana Rios a menos de um mês do carnaval. Episódio polêmico divide opiniões no mundo do samba


Mariana Rios é nova rainha de bateria da Mocidade
Thiago Mattos / AgNews
Mariana Rios é nova rainha de bateria da Mocidade

Não é só de simpatia e samba no pé que se faz uma rainha de bateria de escola de samba. Visibilidade, prestígio e um pouco de sorte também ajudam a garantir o posto tão cobiçado. Há uma semana, Ana Paula Evangelista entendeu isso. Eleita pela comunidade para sambar à frente dos músicos no desfile da Mocidade Independente de Padre Miguel na Sapucaí deste ano, a rainha diz ter sido surpreendida com a notícia de que seria substituída por Mariana Rios  no posto. A troca a menos de um mês do carnaval dividiu opiniões na quadra da escola de samba. "Na maioria das vezes, as celebridades disputam espaço com as representantes da comunidade, algumas só procuram o carnaval em janeiro com a intenção de se manter na mídia. Mas não gosto de generalizar pois tem outras que gostam famosas que verdade", analisa Ana Paula, que estava na preparação há sete meses, em entrevista ao iG .

Na época da coroação de Ana Paula, em junho de 2013, o presidente da agremialção, Paulo Vianna , elogiou a escolha. "A Ana Paula é da comunidade de Padre Miguel e tem a Mocidade no coração. É uma sambista que nos enche de orgulho, já desfila conosco e sempre demonstrou seu amor incondicional pela escola. Tenho certeza de que a Mocidade e seus ritmistas estarão muito bem representados com sua nova rainha de bateria", enfatizou, à epoca.

A ideia agora é resgatar esse glamour que tínhamos há alguns anos. Mariana hoje representa isso. Ela é a nova identidade da Mocidade"

Resgate do glamour

Rainha nos "quarenta e cinco do segundo tempo", a atriz já está suando a camisa para mostrar que foi uma boa escolha e, na me madrugada deste domingo (16), exibiu parte do que pretende apresentar na avenida. "Gostei da escolha da rainha. Ela é uma menina linda, simpática e acho que tem tudo a ver sim com a escola. Precisa melhorar um pouco o samba. Se ela quiser, dou umas aulas a ela", comenta Estela Araújo , autônoma de 43 anos que desfila pela escola. "Eu acho que tinha que ser alguém da comunidade. De que adianta ser bonita se não sabe sambar e não carrega a escola no peito?", questiona  Camila dos Santos , atendente de telemarketing de 19 anos que conferia a apresentação de Mariana.

Sobrou para Rodrigo Pacheco , porta-voz da Mocidade, explicar a troca polêmica. "A escolha de uma atriz traz sim uma notoriedade maior para a escola. No caso da Mocidade, nós sempre fomos uma escola de muitos artistas. A ideia agora é resgatar esse glamour que tínhamos há alguns anos. Mariana hoje representa isso. Ela é a nova identidade da Mocidade", avisa.

Beija-Flor

Na Beija-Flor de Nilópolis, é questão de ordem ter uma legítima representante da comunidade à frente dos ritmistas. A estudante de jornalismo  Raíssa de Oliveira , de 23 anos, ganhou notoriedade no carnaval carioca ao ser escolhida como rainha de bateria da escola aos 12 anos de idade, em 2003. 

Boni , ex-diretor da TV Globo e grande homenageado do samba-enredo da Beija-Flor deste ano, apoia a prática e ainda revela que o diretor de carnaval-harmonia da agremiação, Laíla , cortou 500 participantes do desfile de 2014. "Ele tirou gente de fora para privilegiar quem é da comunidade. São 3700 pessoas que vão desfilar na Beija-Flor, e 80% disso são com fantasias dadas pela Beija-Flor. Não terá atriz de novela como destaque, já existe essa tradição na Beija-Flor de produzir o talento local", enfatiza.

Christiane Torloni é coroada rainha de bateria da Grande Rio
AgNews
Christiane Torloni é coroada rainha de bateria da Grande Rio

Christiane Torloni

Na Grande Rio, há décadas que a tradição ganhou outro sentido e o lugar de rainha é ocupado ano após ano por estrelas da televisão, famosas de realidades muito diferentes das mulheres da comunidade. Em 2014, Christiane Torloni entra em cena. A atriz defende a escolha evocando a experiência dos palcos. "Eu acho que eu agrego mais pelo tempo de vida", brinca Christiane no auge dos 56 anos. "Eu trago todas as imperatrizes e rainhas que já fui (na ficção), todos os meus prêmios, as minhas glórias, só o que é bom", defende a "novata veterana", que chega para assumir o lugar que já foi de Deborah Secco (2004), Susana Vieira (2005-2006), Grazi Massafera (2007-2008), Paolla Oliveira (2009-2010) e Ana Furtado (2012).

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba as notícias dos famosos

Evidente que ginga e samba no pé não são os pontos fortes das globais, mas não dá para negar que elas atraem visibilidade e garantem prestígio ao desfile. 

Tatiane Minerato e Sabrina Sato na Gaviões da Fiel
Francisco Cepeda/AgNews
Tatiane Minerato e Sabrina Sato na Gaviões da Fiel

Sabrina Sato na Gaviões

Nas ruas, algumas pessoas podem até pensar que Sabrina Sato é a rainha da bateria da Gaviões da Fiel devido à tamanha visibilidade que ela tem na escola, mas na quadra da agremiação paulistana ninguém tem dúvida: Sabrina tem sim o seu lugar de destaque como madrinha , mas o grande posto é de Tatiane Minerato desde 2009. "Acho que a escolha da rainha de bateria é algo relativo porque nem sempre é possível conseguir alguém da comunidade que atenda aos requisitos do posto, depende muto de cada escola. Graças a Deus temos uma rainha que é da comunidade, tem carisma com o público e sintonia com a bateria", opina Wagner dos Santos , que costuma ser chamado de B.O., presidente da escola. "O que é importante é criar e trabalhar esse entrosamento com a bateria desde o começo dos ensaio. A nossa rainha está presente desde agosto e isso é fundamental para fazer bonito na avenida", finaliza o presidente, membro da escola há 14 anos.

*Colaborou Victor Albuquerque





    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.