Separado da atriz, ator diz ter certeza de sua sexualidade e conta estar solteiríssimo. Em entrevista exclusiva, ele fala sobre o fim do casamento, sobre teatro, religião e mais

O ano de 2014 chegou como um turbilhão para Sandro Pedroso . Enquanto profissionalmente ele assiste a um sonho de longa data tornar-se realidade, notícias sobre sua separação de Susana Vieira , após cinco anos juntos, estamparam as manchetes em janeiro. Mas quando tudo parecia desmoronar no lado pessoal, o ator segurou a barra e aparece bem-resolvido e tranquilo para uma entrevista exclusiva para o iG .

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba as últimas notícias dos famosos

Sobre a ex-mulher, que acabou há poucos dias a novela “Amor à Vida” como Pilar, ele pouco falou. Não quer explorar um assunto que, no âmbito pessoal, foi tão bem construído e finalizado. A amizade entre Sandro e Susana continua, assim como a guarda do filho de quatro patinhas, um cachorro da raça yorkshire terrier, o William. “A gente conversou que seria melhor se separar, mas foi tudo muito lindo, com muito amor. Sempre respeitei muito a Susana e a família dela”, falou o ator, que prepara-se para estrear em março a peça “Deus Salve a Rainha”, ao lado de Cássia Kis Magro e Thiago De Los Reys

Foi para o projeto, aliás, que Sandro viajou a Londres no início de 2013, e depois para Los Angeles. Com 29 anos, o ator natural de Ponta Grossa (PR), moldou sua visão sobre a profissão após as experiências no exterior. “Uma coisa que a gente vai aprendendo é que ninguém faz nada por você. Se você quer fazer uma peça de teatro, você tem que correr atrás dos direitos, produção. Se não tem produtor, você produz. Ninguém vai te ligar para te chamar”, disse. Entre um gole e outro em um café carioca, Sandro falou ao iG sobre religião, trabalho, críticas e até sobre sexualidade. Confira tudo abaixo:

iG: Vamos do começo. Como você está hoje com os ensaios para a peça e depois de tudo que foi noticiado?
Sandro Pedroso:  Conheço o Ulysses ( Cruz , diretor) há 12 anos. Já fiz outras peças com ele. Ele trabalha muito com a Cássia (Kis Magro) também, e um dia ele me ligou perguntando se eu queria fazer uma peça com a Cássia e direção dele. Foi uma honra, imagina! Aceitei na hora. A gente fez uma primeira leitura da peça e foi incrível.

iG: Isso aconteceu quando?
Sandro Pedroso: No começo do ano passado. Por causa da agenda do Ulysses, a gente não estreou, mas já entrou no processo da peça. O texto é do autor argentino Kado Kostzer e fala sobre a monarquia. A gente entrou de cabeça no projeto, fez uma imersão. Fomos para Londres, foi aí que eu comecei a viajar. Fizemos um workshop lá, foi muito incrível. Agora a gente retomou o processo, vamos estrear em março em Belo Horizonte, depois passamos para São Paulo, Rio, Porto Alegre… Várias capitais. Estou muito feliz.

iG: Como é trabalhar com a Cássia?
Sandro Pedroso: Sou suspeito para falar porque acho a Cássia Kis a melhor atriz do Brasil. E estar com ela ali é lindo. Muito interessante sobre ela é a luta. Estou praticamente começando a minha carreira. Já produzi peça, fui atrás de patrocínio, e é difícil para todo mundo. Até para nós, neste processo, é difícil achar um bom produtor, um bom captador. Estou aprendendo muito. Estou muito ansioso para a estreia.

iG: Voltando a falar sobre a viagem de Londres, foi a primeira vez que você fez uma viagem com propósito profissional?
Sandro Pedroso : Foi. O Ulysses e a Cássia voltaram e eu continuei lá estudando inglês um tempo. Fiz outros cursos, vi tudo que podia de teatro. É impressionante como Londres é rica em cultura, em arte. Visitei todos os museus… Foi uma experiência incrível. É engraçado que você desmistifica muita coisa estando lá. Fiquei hospedado na casa de uns amigos que eram donos de um teatro que era uma galeria de arte. E ele moravam no teatro. Então, um dia eu estava no quarto dele fazendo a luz do teatro, e no outro dia eles fechavam o teatro e abriam uma exposição de arte. É um mergulho.

"Ninguém faz nada por você. Se você quer fazer uma peça de teatro, você tem que correr atrás dos direitos, produção, se não tem produtor, você produz. Ninguém vai te ligar para te chamar"

iG: Podemos dizer que você enxergou mais a atuação como um ofício, então?
Sandro Pedroso: Isso. Lá eles têm o maior respeito. Tem umas pessoas que me perguntam ‘e agora, você está trabalhando com o quê?’. Trabalhando com o que é ótimo. Só porque a gente é ator precisa estar na TV. Claro que é um veículo que eu quero trabalhar ainda, mas eu não estou mais em busca, porque eu estou muito realizado profissionalmente. Eu trabalho todo dia, tenho emprego, estou em uma peça com a Cássia, com o Ulysses…

iG: Você disse que não está em busca, mas não é fácil viver como ator no Brasil. É preciso estar sempre em movimento para conseguir as coisas, não?
Sandro Pedroso: Sim, claro. Uma coisa que a gente vai aprendendo é que ninguém faz nada por você. Se você quer fazer uma peça de teatro, você tem que correr atrás dos direitos, produção. Se não tem produtor, você produz. Ninguém vai te ligar para te chamar. Neste projeto do “Deus Salve a Rainha”, o convite surgiu de um processo, não foi da noite para o dia. Mas se você quer trabalhar como ator, tem tantas opções… Hoje eu consigo enxergar isso.

iG: Na matéria que você fez para o iG em 2011 , você estava no ar como Mandrake, em “Fina Estampa”, e declarou o seguinte: “Se eu estou lá por causa dela (Susana) ou por causa do Aguinaldo...Cara, não estou nem aí, brother. O importante é que consegui e que estou lá”. Você acha que o casamento com a Susana Vieira te ajudou ou atrapalhou na carreira?
Sandro Pedroso: Se influenciou para um lado bom ou ruim, juro que não enxergo. Posso até estar sendo um pouco egoísta. A minha arte eu faço para mim. Claro que se estou em um palco, troco energia com a plateia, mas penso em mim. Se eu for ligar para o que as pessoas comentam, para as mensagens de ofensa… Quando as pessoas me ofendem pela internet ou pelo jornal com uma nota mentirosa, fico triste. Mas ficaria muito mais triste se estivesse ofendendo alguém, porque magoar o ser humano é horrível.

"Se (o casamento com Susana) influenciou para um lado bom ou ruim, eu juro que não enxergo. Eu posso até estar um pouco egoísta. A minha arte eu faço para mim"

iG: Hoje você lida melhor com as críticas?
Sandro Pedroso:  Nem fico vendo… Tem tanta coisa boa para fazer. Claro que existem pessoas do mal, não estou julgando ninguém… Mas aquela pessoa não te conhece. Como ela pode falar de você sem nem te conhecer? Sei lá… É a liberdade de cada um.

iG: Você ficou muito conhecido quando começou a namorar a Susana e sua vida foi bem explorada. Como lida com isso, de ser uma pessoa conhecida, famosa?
Sandro Pedroso: Que fama? (risos) Não lido com isso, nem sei o que é isso. Tenho uma coisa muito boa, que é um relacionamento muito bom com Deus. Vou à igreja católica… A minha relação é com ele, sabe? Está escrito nas estrelas. Não adianta eu querer o que é do outro, porque o meu já está ali. Deus nunca me abandonou, então não tenho o que temer.

iG: Você vai à missa e tudo mais?
Sandro Pedroso: Vou, vou, claro que vou. Me confesso, faço tudo. É coisa de família mesmo. Eu quero cumprir todos os sacramentos. Fui batizado, fiz a primeira comunhão, quero me casar, até chegar na extrema unção, que é o último sacramento.

iG: Então pretende se casar futuramente?
Sandro Pedroso: Não sei o que vai acontecer amanhã. Se for para ser, vai ser.

iG: O casamento com a Susana começou a azedar nos meses que você passou em Londres?

Sandro Pedroso: Eu voltei e a gente conversou que seria melhor se separar, mas foi tudo muito lindo, com muito amor. Sempre respeitei muito a Susana e a família dela. A Susana é uma pessoa maravilhosa de conviver, de viver, engraçada, divertida. Não tinha um dia, nesses cinco anos em que a gente ficou junto, que a gente não ria junto.

iG: Ela chegou a dar uma declaração dizendo: “eu entendi muito bem o objetivo de vida dele”. Eu queria te perguntar qual é esse seu objetivo de vida.
Sandro Pedroso : Não tenho objetivo mais na vida. Estou realizado profissionalmente. Não tenho outro projeto nenhum, estou fazendo uma peça com a Cássia Kis, então o que eu quero mais, entendeu? Vivo um dia de cada vez.

"Eu tenho certeza da minha sexualidade, não tenho preconceito nenhum, mas eu sou hétero"

iG: O que você aprendeu nesses cinco anos com a Susana?
Sandro Pedroso:  Acho que foi mais uma troca. A gente trocou muito. Ela aprendeu muito comigo e eu com ela. Foi lindo. Não foi aprendizado. Foi troca.

iG: Quando a sua imagem começou a ser mais explorada, surgiram alguns boatos sobre sua sexualidade. Te incomoda esse tipo de situação?
Sandro Pedroso:  Tenho certeza da minha sexualidade, não tenho preconceito nenhum, mas eu sou hétero. Nem penso nisso. Estou tão feliz com meu trabalho, que eu nem… Sou “easygoing”.

iG: Você está com alguém ou solteiro?
Sandro Pedroso: Solteiro, imagina. Não estou nem pensando nisso.

iG: Você tem algum grande sonho profissional?
Sandro Pedroso: Sonho em fazer uma peça com a Cássia Kis.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.