Ator, que ficou conhecido pelo personagem cafajeste Gustavo, em "Viver a Vida", da Globo, ganha dois papéis: o de pai de Dante e o de Garcin no espetáculo "Huis-Clos", em São Paulo

Marcello Airoldi   tem motivos de sobra para comemorar nesta semana. O ator, que ficou conhecido pelo grande público por viver o cafajeste Gustavo em "Viver a Vida", e o investigador Barros em "Salve Jorge", ambas na Globo, se prepara para dois grandes papéis em sua vida. O do dramático e intenso Garcin, no espetáculo "Huis-Clos", e o de pai de Dante, seu filho com a também atriz Carolina Parra, que nasceu há uma semana. "Está uma loucura maravilhosa", brincou ele em bate-papo com o iG ..

Marcello Airoldi no espetáculo 'Huis-Clos'
Divulgação/Priscila Prade
Marcello Airoldi no espetáculo 'Huis-Clos'

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba as últimas notícias dos famosos

Dirigido por Sérgio Salvia Coelho  , o espetáculo, que estreia neste sábado (2) e fica em cartaz até o fim de novembro, discute a crise existencial do ser humano e tem no elenco Marcello, Claudinei Brandão   e Tatiana Passarelli.

"O convite, na verdade, surgiu há muitos anos, mas a peça acabou só acontecendo agora por conta de patrocínio, que como sempre é um problema no Brasil", disse Marcello, que ainda falou de seu personagem. "A peça fala muito da crise existencial do ser humano. São três personagens que vão discutir e tentar resolver através das relações com os outros essas crises. Ele só percebe esse debate quando morre, então a peça se passa assim que os três chegam ao inferno."

Em paralelo aos ensaios, Marcello ainda se preparava para outro papel. Casado há quase três anos com a também atriz Carolina Parra,   o ator se tornou pai há uma semana, e contou que está sorrindo à toa. "Nasceu o Dante e está sendo uma loucura maravilhosa. Estou curtindo demais esse momento", disse ele.

Aos 43 anos, Marcello aproveitou para fazer um balanço dos 27 anos de carreira, que começou após muito trabalho como office-boy para pagar o curso de teatro. "Olha, comecei a viver de arte aos 19 anos dando aulas de teatro na minha cidade, Barueri, em São Paulo, depois foi melhorando quando me tornei produtor cultural, ator, diretor e assim por diante. Fico feliz com meu caminho", disse ele, que afirma que só quer se sentir realizado no dia em que morrer.

"Na verdade, nem no dia da morte quero me sentir realizado, mas só depois dela, assim como meu personagem Garcin. Hoje me sinto, no máximo, momentaneamente saciado", disse o ator.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.