Após 10 anos afastada da Globo, atriz comemora 45 anos de carreira em alta na emissora carioca e conta como enfrentou a doença da mãe e a dela própria

Uma cena marcou a volta de Françoise Forton para a Globo depois de 10 anos afastada: chegar ao Projac e ver a estátua de bronze de Roberto Marinho (1904-2003), fundador da emissora, segurando uma claquete com a data de inauguração do complexo, 2 de outubro de 1995. “Parei, olhei e pensei: me lembro desse dia, estava gravando “Explode Coração”, primeira novela feita aqui”, conta Françoise.

No ar como a perua falida e trambiqueira Gigi de “Amor à Vida”, Françoise retorna ao elenco da Globo com a sensação de estar voltando para casa. “Esse universo faz parte da minha história. Vi as árvores do estacionamento pequenas e hoje elas fazem sombras enormes. O Maurinho ( Mauro Mendonça Filho , diretor da novela e filho de Mauro Mendonça e Rosamaria Murtinho ) eu conheci criança. Rosinha foi minha mãe em ´Cuca Legal´ (de 1975) ”

Ela própria mudou muito pouco, ao menos fisicamente, nesses anos. Seu corpo segue impecável, e sua rotina de exercícios – pilates, musculação, balé clássico – foi intensificada nos meses que antecederam a estreia da novela. Perdeu oito quilos em seis meses. “Não dava para fazer gorda uma personagem que não tem o que comer”, brinca. Cortou glúten, gordura e doces do cardápio. “Não posso tomar remédios e nem hormônios por conta do câncer que tive, então tenho que cuidar muito da minha saúde”.

A superação do câncer no colo do útero foi uma das vitórias da atriz que completa 57 anos de vida neste 8 de julho. Seu único filho, Guilherme , que hoje tem 30 anos, tinha 9 quando ela recebeu o diagnóstico da doença durante um exame de rotina. “Eu estava gravando ´Tieta´, fazendo o espetáculo ´Na Sauna´. Só pensava no Guilherme e na minha mãe, que estava doente, e no quanto eles precisavam de mim.” Decidiu então que faria o possível para se curar. Fez cirurgia, quimioterapia e todos os tratamentos disponíveis. “Eu tinha medo de fazer exames em que tinha que dormir, porque achava que poderia não acordar.”

"VAI DAR O CANO HOJE?"

Em 'Amor à Vida' Françoise Forton é Gigi, a amante trambiqueira de Atílio (Luís Mello)
Reprodução/Divulgação
Em 'Amor à Vida' Françoise Forton é Gigi, a amante trambiqueira de Atílio (Luís Mello)

Esse tipo de preocupação ficou para trás. O momento que vive agora é de, realmente, amor pela vida. Gigi, para ela, é um papel “maravilhoso, um privilégio”. O sucesso da personagem a atriz mede na rua, quando sai de casa e alguém pergunta: “E aí? Vai dar uma de Gigi hoje, vai dar o cano em alguém?” E tem também aqueles que aprovam a conduta da larápia que vive de abusar da generosidade do ex-marido e de senhores incautos e dizem: “É isso aí, Gigi. Tira o couro mesmo do Atílio”. “Sou muito grata por Gigi. Tenho muito prazer em parar em algum lugar e ser reconhecida pela popularidade da personagem. Eu me divirto.”

Na vida real, Gigi e Françoise têm muito pouco em comum. Enquanto Gigi é irresponsável e golpista, Françoise é muito pé no chão. “Sou o oposto da Gigi. Se tenho compromisso com hora marcada e acho que não vou chegar, fico desesperada. Com dinheiro também, sou arrimo de família desde pequena, sempre me sustentei e sustentei minha família”, conta. Filha única de um francês com uma brasileira, Françoise ficou órfã de pai ainda bebê. Sua mãe morreu em 1993, depois de enfrentar por oito anos uma combinação de artrite reumatoide e bursite, que a deixou numa cadeira de rodas.

Françoise Forton: 'Fiz as fotos da Playboy para pagar minhas dívidas'
Reprodução/Divulgação
Françoise Forton: 'Fiz as fotos da Playboy para pagar minhas dívidas'

Françoise assumiu os cuidados e as despesas com o tratamento da mãe. “Eu trabalhava em qualquer coisa para ganhar dinheiro, pedia emprestado e pagava quando podia”, lembra. Acabou se endividando, e decidiu aceitar o convite para fazer um ensaio para a Playboy. “O dinheiro da Playboy veio num momento em que eu precisava muito. Usei para pagar as dívidas e pude comprar um carrinho zero, que me dava mobilidade com meu filho e onde cabia a cadeira de rodas.” Guilherme apoiou a decisão da mãe e até a ajudou a escolher as fotos publicadas na revista, mesmo sendo na época um adolescente sujeito às piadinhas dos amigos. Depois dessa experiência, ela recusou novos convites para ensaios. “O Guilherme disse: ´Mãe, não precisa mais fazer outra, né?´”

ATRIZ DESDE MENINA

Seu primeiro papel foi aos 12 anos, em “Fogo Sobre Terra”, de Janete Clair . No segundo trabalho na TV já era protagonista, a candidata a Miss Brasil Maria Teresa (Tetê) de “Estúpido Cupido”, última novela que a Globo gravou em preto e branco. Para comemorar a data, planeja um musical com o mesmo nome da novela. “O projeto Estúpido Cúpido já existe, estamos em fase de captação. O nome é o mesmo, mas não é a mesma história”, adianta ela.

“Kubanacan”, de 2003, foi seu trabalho anterior na Globo. De lá para cá ela teve passagens pelo SBT e pela Record, fez teatro e começou a cursar a faculdade de cinema, que segue fazendo. “Nos primeiros trabalhos fora da Globo, eu estranhava muito. Não pelo respeito profissional, sempre fui muito bem tratada, mas pela minha história, pela sensação de não estar no meu território. Descobri que meus amigos eram colegas daqui que ficaram na minha vida, como a Nicette Bruno . Percebi o quanto minha vida era agregada a este local, a estas pessoas, a este universo.”

De volta ao seu território, comemorando 45 anos de carreira, fazendo sucesso na novela, Françoise Forton está feliz. Casada há dois anos com o produtor Eduardo Barata , ela conclui: “Estou amando a vida porque sou apaixonada pelo meu marido e pelo meu trabalho na Globo. Com tudo que passei, aprendi que o amor é a arma transformadora da vida. Você não pode passar impune por essas coisas, tem que evoluir.”

Françoise Forton na época de 'Estúpido Cupido': segundo trabalho na TV e primeira protagonista
Reprodução/Divulgação
Françoise Forton na época de 'Estúpido Cupido': segundo trabalho na TV e primeira protagonista


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.