Global participou do lançamento do Projeto Teatro Musical no qual será o responsável por levar ao púbico o musical "A Madrinha Embriagada" com sessões gratuitas

Miguel Falabella  esteve na manhã desta segunda-feira 20 no lançamento do Projeto Educacional SESI-SP em Teatro Musical, no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso, em São Paulo. 

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba as últimas notícias dos famosos

O diretor e ator foi convidado para traduzir, adaptar e dirigir a versão brasileira de "A Madrinha Embriagada", do sucesso americano “The Drowsy Chaperone”. Durante 11 meses, 150 mil espectadores poderão assistir à comédia musical em oito sessões semanais e gratuitas, no Teatro do Sesi, em São Paulo. Do pulpito, Falabella iniciou seus dizeres com um relato pessoal e emocionante. "Em 1966, nós éramos em 15 primos. Os pais de todos trabalhavam e minha avó ficava em casa cuidando de todo mundo. Então havia uma tradição de família. Minha avó adorava teatro e não podia levar todos porque não tinha dinheiro, então no dia do aniversário o presente era ir ao teatro", contou. "E eu aos 9 anos de idade fui ao Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, assistir Bibi Ferreira, em "Alô, Dolly!". Eu morava na Ilha do Governador que fica longe da cidade e lembro que foi uma longa viagem de ônibus. Sai de lá outra pessoa", completou Falabella.

O projeto que é idealizado pelo presidente da FIESP e do SESI-SP, Paulo Skaf , pelo superintendente do SESI-SP e diretor regional do SENAI-SP, Walter Vicioni e além dos atores Stella Miranda e Cleto Baccic terão também em sua composição Oficinas de Vivência em Teatro Musical e Curso de Formação de Atores em Teatro Musical.

"Eu acho que a criação desse projeto é a realização máxima de você poder abrir a porta do sonho, da possíbilidade, para meninos como eu fui um dia. Eu tenho certeza que vários meninos vão sentar aqui durante a temporada e sairão daqui completamente transformados. Esse projeto é de uma grandeza ímpar que eu resolvi adaptar, como se passa nos anos 20 e São Paulo viveu uma efervescência única cultural nos anos 20 eu achei que seria no mínimo uma perda de tempo continuar nos Estados Unidos e porque não trazê-la pra cá, na São Paulo dos anos 20 quando o Modernismo estava no seu auge. Eu acho que vamos fazer uma montagem linda e agradeço de coração de ter sido indicado.  Senti um entusiasmo de todos aqui no Sesi. O teatro tem isso, nos emana, nos levanta o que há de aquilo de melhor em nós. O teatro nos faz sonhar e nos abre um mundo de possibilidades", falou Miguel.

Sai de Baixo

Atualmente Miguel esta no ar com o seriado “Pé na Cova” e no teatro com o musical "Alô, Dolly! O musical", ao lado de Marília Pêra . Um de seus maiores sucessos na tv foi o seriado "Sai de Baixo", exibido entre 1996 a 2002, na Globo. Desde o ano passado o canal Viva, que reprisa o extinto programa, promete reunir em 4 episódios inéditos e presentear o público e o próprio canal pago -  que completa 3 anos agora - com um especial reunindo o elenco original. "Não sei de nada. Passei a bola pro Xexeu. Você quer saber disso de fuxico né? Liga pro Viva. A única coisa que posso te falar é que estão me pagando mal. O Viva é ruim de jogo", disse o ator e diretor para o iG.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.