Cantora fez questão de estar ao lado do rapper, que a agrediu em 2009, em audiência que discute o caso

Reuters

Um juiz de Los Angeles solicitou, nessa quarta-feira (6), um novo relatório sobre a adesão do rapper Chris Brown ao serviço comunitário, ao qual foi condenado por agredir em 2009 sua namorada, a cantora Rihanna .

Siga o iG Gente no Twitter e receba as últimas notícias dos famosos

O cantor está sendo acusado por promotores de ter burlado o cumprimento da pena. A surpresa veio na visita de Chris ao tribunal, nessa quarta-feira. O rapper chegou acompanhado de Rihanna, que foi demonstrar apoio ao homem que confessou tê-la agredida há quatro anos. Recentemente, ela confirmou ter reatado o relacionamento com ele.

Brown cumpre pena de cinco anos sob liberdade condicional, e no ano passado concluiu os 180 dias de serviço comunitário e de aconselhamento sobre a violência doméstica.

Os promotores que o acusam disseram que os registros sobre a prestação do serviço comunitário contêm "discrepâncias significativas, indicando, na melhor das hipóteses, uma documentação inconsistente, e, na pior, relatos fraudulentos".

Brown passou a audiência inteira sem demonstrar emoções, com as mãos dobradas em uma jaqueta preta. Rihanna estava sentada atrás dele, usando blusa branca e calça preta.

O juiz James Brandlin determinou que Brown se reúna com o agente responsável pela liberdade vigiada, a fim de esclarecer os pontos levantados pela promotoria.

    Leia tudo sobre: Rihanna
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.