Depois de ser “Miss ABC inteiro”, ela foi modelo internacional, atriz de TV e cinema. Agora testa seu talento cômico na peça “Pirou?”

Preparar, apontar, fogo! Entrevistar Milena Toscano é uma corrida maluca: ela vai contando sua história falando muito, e muito rápido. Interrompe o raciocínio para rir dela mesma, e logo volta a falar sem parar, com aquela voz rouca que a gente conhece das novelas. O último trabalho foi como Vanessa em “Fina Estampa”. “Comecei com um papel pequeno, e no fim me surpreendi. Fiquei com o galã”, se diverte. Bocuda, cara de pau, batalhadora, independente e muito responsável são características que a atriz de 29 anos destaca nela mesma. Essa personalidade livre, explica, começou a ser moldada na infância, quando, aos 9 anos, a menina nascida em Santo André, na Grande São Paulo, iniciou uma carreira de modelo. “Tinha certeza de que seria a Gisele Bündchen ”, diz Milena, rindo.

Siga Twitter do iG Gente e acompanhe todas as notícias dos famosos

A estatura relativamente baixa e “as bochechas” mudaram a direção de sua vida. Depois de ser “Miss ABC inteiro”, virou queridinha do mercado publicitário: fez mais de 200 comerciais. Até se tornar atriz, morou no Japão, Chile, Espanha e Peru. 

LEIA TAMBÉM: Milena Toscano: “Estou apaixonada, feliz, a pele está boa e está tudo certo”

Foi exatamente o que ela fez quando recebeu o convite para atuar em uma comédia pela primeira vez. "Meus amigos sempre falam que sou divertida e engraçada, mas eu nunca me via assim”, conta ela, que estava assustada de encarar o desafio. Mesmo assim decidiu se jogar de cabeça no novo projeto. “Pirou?”, em cartaz no Teatro Bibi Ferreira, em São Paulo, tirou os pés da atriz do chão. Munida de um arsenal de perucas e figurinos, Milena caminha no fio da navalha para tratar das paranoias e manias do ser humano na pele de vários personagens. "Eu sou a mulher que tem mais TPM no universo", declara, e arremata: "Viro um monstro, tenho dó do meu namorado". Leia a entrevista...

Se não para um pouco, você acaba fazendo sempre o mesmo personagem. Toda hora no ar, fica todo mundo igual

iG: Você está em cartaz em São Paulo e mora no Rio. Como está a vida nesse momento?
Milena Toscano: Estou só com a peça, de férias da Globo. Fiquei quatro anos sem férias e agora vou descansar um pouco, cuidar da vida. Até porque, se não para um pouco, você acaba fazendo sempre o mesmo personagem. Toda hora no ar, fica todo mundo igual. É hora de me reciclar, fazer teatro, cinema, cursos, hora de estudar.

iG: Como descobriu a veia da comédia?
Milena Toscano: Nunca tinha feito um “comedião” como esse. Assim como nunca me achei uma pessoa engraçada. Meus amigos sempre falam que sou muito divertida, mas eu nunca me via assim. Quando decidi fazer, cheguei aqui e encontrei Zé Auro e Tatá Lopes , que são comediantes, superatores, e vivem para a comédia. Pensei: vou aprender com eles!

Milena Toscano: 'É hora de me reciclar, fazer teatro, cinema, cursos, hora de estudar'
André Giorgi
Milena Toscano: 'É hora de me reciclar, fazer teatro, cinema, cursos, hora de estudar'


iG: "Pirou?" fala das paranoias e manias do ser humano. Como você lida com as suas?
Milena Toscano:  É, “Pirou?” fala de doenças muito comuns, que todo mundo tem em uma época ou outra na vida: ciúmes, traição, pânico, hipocondria, TPM. Eu sou a mulher que mais tem TPM no universo! Viro um monstro, tenho dó do meu namorado. Tem dia que nem eu me suporto, como é que os outros estão me aguentando? Na peça as paranoias cotidianas são colocadas em uma tinta mais escura para que virem piada. Mas a gente não pode esquecer que está falando de coisa séria, então existem todos os limites.

iG: Limites que não deixam vocês perderem a mão?
Milena Toscano: O texto da Regiana Antonini é superfácil, prático, objetivo. É engraçado sem ofender ninguém. Porque a comédia tem um pouco disso: fazer piada sobre uma doença, mania ou sobre alguém pode deixar uma pessoa incomodada. Isso não acontece com “Pirou?”. Acho mais difícil fazer rir do que fazer chorar. 

Não sou muito baladeira, não sou uma pessoa que vive na noite. Sou tranquila, cara de pau, sou bocuda, falo muuuito

iG: Você tem alguma mania?
Milena Toscano: Quando fiz “Araguaia”, criei um TOC (transtorno obsessivo-compulsivo) de entrar no banheiro. Morro de medo de perereca e todo dia no banheiro tinha uma perereca. Criei toque: batia a porta, abria a porta, puxava três vezes a descarga... Todo mundo um dia passa por alguma fase da nossa peça.

iG: Que tipo de programa te diverte?
Milena Toscano:  Adoro fazer jantares em casa, reuniões, e gosto de cozinhar. Não sou muito baladeira, não sou uma pessoa que vive na noite, apesar de meu namorado ser dono de boate. Sou tranquila, cara de pau, sou bocuda, falo muuuito. Meu irmão brinca que eu não tenho 'stop', o botão do 'stop' está quebrado. Por outro lado, sou sossegada, não sou uma maluca.

Milena Toscano: 'Adoro fazer jantares em casa, reuniões, e gosto de cozinhar. Adoro fazer um jantarzão e chamar meus amigos'
André Giorgi
Milena Toscano: 'Adoro fazer jantares em casa, reuniões, e gosto de cozinhar. Adoro fazer um jantarzão e chamar meus amigos'

iG: Já teve uma fase pirada?
Milena Toscano: Já, todo mundo tem momentos de piração. Quando se é mais adolescente, tem momentos de achar que pode fazer tudo que quiser. Estou com 29 anos e moro sozinha desde os 19. Como estou no Rio de Janeiro, longe de casa, eu trabalho, tem que ter um pouco mais de trilho. Eu me acho bem responsável, sou capricorniana, tenho os dois pés no chão. Penso cinco vezes antes de fazer qualquer coisa.

Eu vi muita diferença entre fazer uma protagonista da novela das seis, e um personagem menor numa novela das oito

iG: Você foi do SBT, depois foi protagonista de “Araguaia” e então fez grande sucesso em “Fina Estampa”.
Milena Toscano: A TV faz você popular, leva seu trabalho para uma grande massa. Eu vi muita diferença entre fazer uma protagonista da novela das seis, e um personagem menor numa novela das oito. Quando fui protagonista, as pessoas me reconheciam, era normal. Personagem menor numa novela das oito é assustador! Todo mundo assiste, todo mundo te conhece e isso facilita muito. Porque quando você faz uma peça, as pessoas vão lá para ver seu trabalho porque te conhecem da TV. Assim como ajuda na bilheteria de cinema.

iG: Tem preferência por alguma área da dramaturgia?
Milena Toscano: Quando escolhi ser atriz, nunca pensei em ser atriz de teatro, cinema ou TV. Escolhi ser atriz. Ator de verdade trabalha na rua, na rádio, no cinema, no teatro, na TV, em escola, em qualquer lugar. Cada área tem sua particularidade: teatro é todo dia, na TV se aprende mais rápido porque não tem tempo para fazer. E numa novela você vive nove meses a vida daquele personagem. No cinema, é tudo mais perto, mais profundo, não dá para mentir. No teatro você consegue mentir, na TV você usa artifícios, no cinema não dá. Se não estiver dentro de você, não vai estar e ninguém vai acreditar no seu filme. Eu amo todas as vertentes da minha profissão.

Milena Toscano: 'uando fui protagonista, as pessoas me reconheciam, era normal. Personagem menor numa novela das oito é assustador! Todo mundo assiste, todo mundo te conhece'
André Giorgi
Milena Toscano: 'uando fui protagonista, as pessoas me reconheciam, era normal. Personagem menor numa novela das oito é assustador! Todo mundo assiste, todo mundo te conhece'


iG: O que muda depois de uma novela das nove de sucesso? Seu cachê muda imediatamente?
Milena Toscano: Não muda muita coisa, não. Dá mais oportunidade de fazer trabalhos publicitários, as pessoas veem mais seu trabalho e querem conhecer mais quem você é. Então você faz mais capas de revistas, editorias, mais publicidade e com isso você acaba convidada para fazer teatro e cinema. Acho que o assédio muda bastante, assim como muda a presença de paparazzi na vida.

Saem umas notinhas aqui, uma fofoquinha ali. Às vezes as pessoas falam umas coisas que não estão acontecendo, então incomoda

iG: Como você vê os paparazzi?
Milena Toscano: Não me incomodam, acho que eles estão fazendo o trabalho deles. É uma questão de respeito. Não sou aquela que grita, que xinga, que bate em paparazzo, mas tem momentos em que chego junto e pergunto: está precisando de uma foto? Eu entendo o trabalho deles, a pessoa não está ali porque ela quer. Não está te seguindo porque ela quer, é o trabalho dela, ela tem que entregar a foto. Mas muda a quantidade de mentiras que inventam sobre você, assim como as verdades também. Acho que tem de ser cada passo de uma vez. Não é uma mudança muito drástica, estou indo um degrauzinho de cada vez, acumulando experiências.

iG: O que já falaram de mentira a seu respeito?
Milena Toscano: Fui a um casamento de uma amiga, em que entrei e saí. No dia seguinte, estava no jornal que eu saí carregada de tão bêbada. Não fiquei nem uma hora na festa e não saí de lá bêbada. Saem umas notinhas aqui, uma fofoquinha ali. Às vezes as pessoas falam umas coisas que não estão acontecendo, então incomoda. Mas se você levar na facilidade, na boa parceria e na conversa, eu acho que tudo se resolve muito bem.

Fui Miss ABC inteiro (risos). Eu sempre ganhava, sempre fui muito metidinha: se for para fazer, é para fazer direito

iG: Fale sobre o início da sua carreira.
Milena Toscano: Sempre quis ser modelo. Achava de verdade que eu seria a Gisele Bündchen, tinha essa certeza. Minha mãe não queria muito no começo porque eu era muito pequena, tinha 9, 10 anos. Mas eu queria porque queria. Então me inscrevi nos concursos de Miss da cidade. Já fui Miss ABC, fui Miss Piscina, Miss São Caetano, fui Miss ABC inteiro (risos). E eu sempre ganhava, sempre fui muito metidinha: se for para fazer, é para fazer direito. Em um desses desfiles, havia algumas agências de São Paulo e me chamaram.

iG: E depois?
Milena Toscano: Aos 11 anos, comecei a fazer muita publicidade, fiz mais de 200 comerciais. Queria ser modelo, desfilar, ser fashion! Mas não dá pra ser fashion com 1,70 e essa bochecha! Não dá! Eu tenho uma cara redondinha, sou completamente comercial. Aos 13, fui para a Ford Models e aos 15 anos estava no Japão com a minha mãe e estudando. Era a única condição para continuar. Se minhas notas baixassem, a brincadeira acabaria. “Não quer fazer?”, ela perguntava. “Então faça os dois!”. Quando eu viajava, de janeiro a março, já estava com todos os livros comprados. Lia, lia, lia, e quando eu chegava, via um pouco da aula, fazia as provas, tirava nota e viajava de novo na segunda parte do ano. Era uma loucura! Para o Japão fui quatro vezes, para Paris, Barcelona, Chile, Peru.

Em 'Pirou?', Milena atua ao lado de Zé Auro Travassos, Tatá Lopes e Bruno Barros
André Giorgi
Em 'Pirou?', Milena atua ao lado de Zé Auro Travassos, Tatá Lopes e Bruno Barros


iG: Quando começou a atuar?
Milena Toscano: Quando eu voltei para o Brasil, me chamaram para fazer a oficina de atores da TV Globo. Fui para o Rio, passei três meses lá, fiz a oficina e voltei. Nada aconteceu. Depois fui para o SBT, fiz os “Ricos também Choram”, e no cinema fiz “Anita” e “Sem Controle”, que foi um filme incrível na minha vida; com ele eu ganhei o prêmio de melhor atriz em Nova York.

Quero seguir vivendo como eu faço e construir uma família como a que eu tenho. Do resto, a gente corre atrás

iG: A beleza sempre ajudou ou houve algum momento em que questionaram seu talento?
Milena Toscano: Não sei se a beleza ajudou ou atrapalhou porque sempre fui eu. Sempre consegui as coisas pelo meu próprio mérito. Sou muito batalhadora: sempre corri muito atrás do que eu queria, sempre. De bater na porta: ‘Oi, tudo bem? Quero trabalhar, me dá um emprego?’. Não tenho vergonha, porque sempre penso que o não eu já tenho. Mas do que o não eu não vou ouvir, então nunca tive vergonha disso. Com 15 anos eu estava trabalhando no Japão. Sempre fui muito cara de pau. Então não sei se a beleza ajudou ou atrapalhou porque nunca fui diferente.

iG: Onde pretende chegar?
Milena Toscano: Quero continuar vivendo da minha carreira e me sustentar com a minha carreira, pois vida de atriz não é fácil. Tenho muitos privilégios por ser contratada da TV Globo, que é uma empresa que é uma mãe, e de trabalhar com muita gente interessante. Quero construir uma família como os meus pais, que são casados há 40 anos, criaram pessoas – nem estou falando de mim, mas dos meus irmãos, o que faleceu e o que está vivo - com muito caráter e dignidade. Quero seguir vivendo como eu faço e construir uma família como a que eu tenho. Do resto, a gente corre atrás.

Milena Toscano: ' Sempre consegui as coisas pelo meu próprio mérito. Sou muito batalhadora: sempre corri muito atrás do que eu queria, sempre'
André Giorgi
Milena Toscano: ' Sempre consegui as coisas pelo meu próprio mérito. Sou muito batalhadora: sempre corri muito atrás do que eu queria, sempre'

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.