Ator português conta que a namorada brasileira e o convite para "Guerra dos Sexos" o fizeram ficar no País

Paulo Rocha pode dizer que a química entre os personagens Guaraci, interpretado por ele, e Pereirão, por Lilia Cabral , na novela “Fina Estampa”, se repetiu na vida real. “Ela se tornou a minha melhor amiga aqui no Brasil e toda a sua família também. Passei o último Natal e o Réveillon com eles e quando vim pro Brasil pela primeira vez, há dois anos, conhecer o Projac, assisti à peça da Lilia. no Rio, e que é maravilhosa”, disse o ator português, na estreia do espetáculo “Maria do Caritó”, estrelado por Lilia, na noite deste sábado, (09), no Teatro da Faap, em São Paulo.

Siga o iG Gente no Twitter e receba notícias dos famosos 

Paulo ainda contou que sempre recebe conselhos sobre a profissão da veterana atriz. “A gente troca muitas ideias. É muito bom ter uma colega de profissão mais experiente porque é uma das grandes virtudes dos mais jovens ouvir os mais experientes, minimiza alguns erros”, disse ele.

Prestes a rodar sua segunda novela brasileira, o remake “Guerra dos Sexos”, de Silvio de Abreu , Paulo falou de sua atual relação com o País. “Minha prioridade é o Brasil. Quero procurar o meu espaço e me estabilizar aqui. Nesses dois anos, minha prioridade é ficar aqui”, disse ele, que atualmente está morando em São Paulo por conta da novela”. O ator interpretará Fábio - vivido pelo ator Herson Capri na primeira versão da trama - e casado com Manuela ( Guilhermina Guinle ).

Paulo está engajado para perder o sotaque português para o novo papel. " Estou fazendo um trabalho com o fonoaudiólogo que vai ficar perfeito. Na versão original, o personagem não era português e o Silvio fez com que eu tivesse vindo de Portugal para tirar a pressão de ter o sotaque perfeito", contou o ator.

Namorada brasileira

Acompanhado da namorada, Juliana Pereira da Silva , Paulo revelou que a atual companhia foi um dos motivos para que ele permanecesse no País. “Foi um conjunto de fatores. O meu envolvimento com a minha namorada foi um fator que me deu tranquilidade para aceitar o desafio de ficar porque ela é extraordinária e muito especial, e ficar sozinho seria mais difícil. Mas obviamente foi o convite da Globo, muito simpático e interessante, que me fez ficar. O apoio da Lilia e de sua família também foi decisivo”, explicou. “Não é uma escolha fácil aos 35 anos deixar uma coisa construída de 12, 15anos para trás e abraçar um projeto novo. Tive muita sorte, as coisas convergiram para que esse conjunto de fatores fizessem para que eu me sentisse bem aqui.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.